Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: Acordo, sonho e vivo
recomeça o futuro sem esquecer o passado

2 de junho de 2007

Acordo, sonho e vivo

Vamos caminhando em passo imperfeito. Segues-me, sigo-te, tudo depende do sol.
Uma coisa é certa, falo-te mesmo que seja no meu silêncio e por mais que eu grite as minhas palavras caiem num manto branco de espuma feito pelo zulmarinho que se estende na praia como que a me querer agarrar, como a morte me agarrará um dia na sua forma metafórica de palavras minúsculas.
Afinal de contas quantos versos calei na minha garganta porque ela não estava oleada ou porque eles eram assim mais do que vulgares lugares comuns? Quantos palavras calei porque eram armas de arremesso que eu estava a tentar atirar?
Não estou preocupado com poesias nem com o lugar de viver a morte. Me preocupa mesmo é o lugar de viver a vida, de sorrir o sorriso.
Não me encontro perdido na estória, em grandes praças e avenidas, em substantivos e adjectivos, em verbos desconstruidos.
Me encontro mesmo aqui ao teu lado na ânsia de te dizer as coisas que me vão assim perdidamente na alma, desse grande labirinto de vida que não é das nuvens.
Aqui, deliciado a ouvir o marulhar, embalo-me nas palavras do coração, as coisas impossíveis de descrever, os versos por declamar. Imagens.
Afinal de contas eu acordo para viver, vivo para sonhar e depois volto a acordar.

Sanzalando

5 comentários:


WebJCP | Abril 2007