Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: Caminhos 4 - destino
recomeça o futuro sem esquecer o passado

30 de junho de 2007

Caminhos 4 - destino

Me sento junto a ti e nem tenho tempo de te olhar.

Falamos um tempo indefinido de assuntos de nada como dois loucos que têm tanto para dizer e o tempo escasseia. Permanecemos em silêncio como que a querer absorver com lentidão o que sofregamente foi falado.

Não sabemos quando voltaremos a estar juntos outra vez, porque não sabemos qual o nosso destino.

Encontrar-nos-emos numa qualquer ocasião, num qualquer lugar, com o mesmo sorriso e com o mesmo olhar. Me disse um velho sábio e se ele disse é porque é verdade. Ou se não foi quem disse foste tu que falaste por ele, o que vem a ser a mesma coisa aqui para mim.

Dissemos tanta coisa e não podemos fazer uma fracção dela. Um passo que se segue ao outro sem sair do mesmo lugar. Razões estranhas, razões distantes, razões internas, razões sem razão.

A verdade mesmo é que é necessário estarmos sentados e falarmos, mesmo que não haja tempo para troca de olhares. Não pode ser só momentos de felicidade instantânea. Não pode haver só despedidas, lenços brancos a acenar e lágrimas caídas numa leveza insustentável.

Não é tempo de fantasias porque daqui a pouco tempo o tempo termina. A tua partida, a minha fuga, o nosso voltar de olhos secos e palavras surdas. Não há tempo de fantasiar desencontros. O velho sábio disse e se ele falou está escrito algures num sítio qualquer.

Não há tempo para recordações quando pouco tempo sobra para a realidade.

Não há tempo para a falta de tempo.

Não faz sentido alegrar a vista, saciar a alma em paralelas palavras que te falo e te recordo. Não faz sentido desligar a televisão da realidade e fantasiar filmes de imaginação.

Não faz sentido procurar caminhos quando as estradas estão feitas, os mapas actualizados e as coordenadas definidas.

É o Destino que destina-me.



Sanzalando

4 comentários:


WebJCP | Abril 2007