Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: 42 - Estórias no Sofá – Estevanov e o doido
recomeça o futuro sem esquecer o passado

27 de outubro de 2008

42 - Estórias no Sofá – Estevanov e o doido

Encontrei Estevanov sentado no sítio do costume à hora habitual.
O sitio mais não é que o que agora resta da traseira do que era o Kinaxixe. A hora era qualquer uma pois é coisa que ele não faz é sair dali.
Tantas vezes lhe perguntei o nome. Outras tantas me respondeu Estevanov. E para mim ficou a ser mesmo o Estevanov sem mais dúvidas ou pés na retaguarda.
Já lhe conheci louco. Ele me disse que não. Não era e nunca tinha sido louco.
Foi desde que se lembra motorista de General Soviético. Um Conselheiro, repetia ele, como que a querer dar importância. Não sei de quem porque ele me respondia só que era Conselheiro. Okey, pensava eu em ter que aguentar mais uma desinformação.
- Estevanov, tu com tanta bebida e tanta ganza em cima não podes ser normal. Lhe dizia eu todas as vezes para iniciar a conversa, lhe despertar ideais.
- Me disseram que beber bebidas com álcool mata as células da cabeça. Né?
- Sim, portanto com essa bebedeira que tens faz para ai uns quinze anos…
- Te enganas, pula. As células que se morrem são as mais fracas, as que não aguentam a pedalada, que já não fazem falta e nem atrapalham mais os circuitos.
- E…
- Portanto, me ficam as células fortes, logo te digo que não sou louco, apenas mais inteligente, porque só tenho as células fortes.
Era hora de mudar de assunto e caminhar para outras estórias.
Conta-me então uma tua estória.
- Era chófer de general soviético, esse Conselheiro que já te falai muitas vezes.
- Sim, eu sei. Não precisas repetir.
- Um dia, ele saiu numa depressa mais rápida que o vento e esqueceu voltar. Me deixaram aqui de viatura distribuída e desconseguia de saber onde eu trabalhava mais, Uns diziam era ali, outros acolá. Para não perder o meu tempo aproveitei o consumista automóvel e virei chófer de táxi. Ia fazendo uns esquemas, tas a ver. De vez enquando ia numa repartição e perguntava de serviço. Me diziam silêncio e lá ia eu fazer mais uns fretes.
- … abanando a cabeça de sim lhe respondi com silêncio também.
- Um dia, desqueci mais porquê, me levaram o carro e ainda me engaiolaram lá no São Paulo.
Me soltaram uns meses depois que eu perdi a conta. A única coisa que sei é que eles disseram que eu sabia demais e por isso era melhor para mim eu ficar ali. Me esqueceram, eu acho.
- Não fazias mais nada na vida antes? Não te meteste com garinas que nem devias?
- Me ensinaram só de ser motorista. Era só mesmo chófer, de farda e tudo.
- hum…
- Me soltaram e eu nem lhe fui procurar. Ela me encontrou. Eu vivia do esquema, no esquema. Ela me foi fazendo ficar assim luado, já nem tinha dores na alma. Lhe possuía assim umas tantas vezes no dia. Era até não conseguir mais. O esquema acabou. Me fui virando no álcool. Todos os álcois. Hoje me vez aqui a pedir, mas eu já fui pessoa de farda limpa. Eu já tive paixões que até me faziam sentir borboletas a voar à minha volta. Eu já tive assim de mulher à minha volta, a me pedir um esquena.
- Tens filhos?
- Não. Me apaixonei sem dar conta. Ela me dizia que como eu não havia outro. Os outros só queriam cama e eu queria diálogo, lhe queria ouvir. Mas o esquema nos foi tirando tempo que o tempo dela acabou bem cedo. Acho também me tirou paciência que agora tenho é demais.
- Já conseguiste fugir do esquema?
- Falta combu… quando lhe arranjo ainda esquemo uma de matar saudade.
- És doido, Estevanov.
- Te digo, pula, doido mesmo és tu que não és coxo, não és gago, não és cego e te perdes aqui a falar comigo. Quem é que é o doido afinal?


Sanzalando

1 comentários:


WebJCP | Abril 2007