Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: tantas, às tantas
recomeça o futuro sem esquecer o passado

22 de julho de 2009

tantas, às tantas

Sentado de olhos no zulmarinho, abrigado da brisa que sopra forte como que a me dizer que o Verão não é quando um homem quer, enrolado no meu próprio corpo como que a esconder-me da minha tristeza, braços cruzados como a tentar sufocar tanta nostalgia e com vontade de gritar que estou farto que o meu coração esteja constantemente a pensar em ti e a minha cabeça pulse vontade de viver outra vida que não a minha.

Tantas horas que não me sais da cabeça que às vezes até parece que tu és a minha cabeça a bater num desritmado ritmo afagado nos ais e uis duma relação que te senta agarrar a uma bóia furada dum qualquer naufrágio.

Tantas horas de coração a sonhar-te com paixão.

Porquê?

Os olhos fixados na tua imagem que sei de cor invento novelas sem cor que não a transparência das lágrimas.

Um dia vai ser necessário dizer basta. Ou tu ou eu o vai dizer. Ou não!

Seja como for, um dia vou curar-me de ti. Nem que seja vou um dia. Não vou pensar-te. Nem fumar-te no ar que respiro. Nem beber-te na imaginação. Sofrerei do síndrome de abstinência? Desconsigo por adivinhação.



Sanzalando

0 comentários:


WebJCP | Abril 2007