Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: Fevereiro 2009
recomeça o futuro sem esquecer o passado

27 de fevereiro de 2009

me apetece

Me sento aqui onde consigo respirar esse mar que me liga e, num grito, digo que me apetece sonhar com momentos de amor, me apetece desenhar na silhueta do sol uma história de amor.
Me sento aqui e ao sabor das ondas me apetece sentir o luar que se te reflecte e levar-me em fantasias de amor.
Me sento aqui, nesse azul mar que se estende até para lá dos meus olhos e me apetece deixar dormir num sonho de amor e saudade.
Hoje me sento e me deixo levar pela canção de embalar que me cantas no teu silêncio marinho.

Sanzalando

25 de fevereiro de 2009

eu, o mar e a tranquilidade

Tranquilo no seu azul marinho, caminhando num vai e vem lento até a areia, eis o meu mar. Eu, contagiadamente tranquilo, olho-o com uma bica quente na mão, com aspecto mesmo de quem não tem o que pensar. Os raios deste sol de Inverno me acariciam timidamente elevando-me a um estado agradável.
Noto que respiro pausadamente como que me abandonasse ao sabor dum vento incansável.
Tranquilo nem noto que o ar que respiro está repleto de partículas de nostalgia que me enche a imaginação de imagens coloridas em cores garridas.
Eu, o mar e a tranquilidade de não ter o que pensar.






Sanzalando

24 de fevereiro de 2009

Aqui, falando com o mar

Aqui estou eu a olhar o mar. Me dizem que é muito cedo mas eu sei que terei muito tempo para o não ver. Aproveito os primeiros raios de sol de Inverno para lhe ver o brilho. Pequenos flashes na minha direcção. Sorrio como se estivesse a ser fotografado por ele. Afinal o mar também me está a ver. E assim recomeçamos o nosso diálogo de olhares. Os beijos ficam guardados para recordações, as carícias secretamente guardadas para mais tarde as usar.
Aqui a olhar o mar, neste diálogo de sensações, me levo numa fantasia de luxúria que me embriaga. Eu sou o teu Carnaval, teu cicerone de ideias, teu maestro de pautas não escritas.
Aqui, de olho falante com o mar, jamais serei a noite sem sentido.

Sanzalando

23 de fevereiro de 2009

Olho o mar

Olho o mar. Faz tempo lhe conheci de Zulmarinho. Hoje lhe chamo apenas de mar. Hoje lhe reconheço como faz parte de mim, meu elo de ligação, minha música de silêncios, minha revolta num espreguiçar na areia.
Olho o mar e me arrepio no medo de que a distância faça com que se apague os meus sentimentos, que o odor de novos momentos apaguem os perfumes de outrora. Tenho medo que o tempo leve na razão directa da distância as palavras que trocamos com o olhar.
Olho o mar e tremo de medo de ver desabar as recordações que te transporto em mim.
Olho o mar e desconsigo evitar ser assim frágil e temer perder a cumplicidade dos teus sonhos que sonhei.
Olho o mar e lhe encho com mais uma lágrima que livremente percorreu a minha cara e como pingo lhe caiu.

Sanzalando

22 de fevereiro de 2009

Porque hoje é Domingo

Um médico inteligente...! Alguém tem o endereço dele ?????????????? Dr. Paulo Ubirtan, de Porto Alegre, RS, em entrevista a uma TV local, foi questionado sobre vários conselhos que sempre nos são dados...
Pergunta: Exercícios cardiovasculares prolongam a vida, é verdade?
Resposta: O seu coração foi feito para bater por uma quantidade de vezes e só... não desperdice essas batidas em exercícios. Tudo gasta-se eventualmente. Acelerar seu coração não vai fazer você viver mais: isso é como dizer que você pode prolongar a vida do seu carro dirigindo mais depressa. Quer viver mais? Tire uma soneca !!!
P: Devo cortar a carne vermelha e comer mais frutas e vegetais?
R: Você precisa entender a logística da eficiência... .O que a vaca come? Feno e milho. O que é isso? Vegetal. Então um bife nada mais é do que um mecanismo eficiente de colocar vegetais no seu sistema. Precisa de grãos? Coma frango.
P: Devo reduzir o consumo de álcool?
R: De jeito nenhum. Vinho é feito de fruta. Brandy é um vinho destilado, o que significa que, eles tiram a água da fruta de modo que vc tire maior proveito dela. Cerveja também é feita de grãos. Pode entornar!
P: Quais são as vantagens de um programa regular de exercícios?
R: Minha filosofia é: Se não tem dor...tá bom!
P: Frituras são prejudiciais?
R: VOCÊ NÃO ESTÁ ME ESCUTANDO!!! ... Hoje em dia a comida é frita em óleo vegetal. Na verdade ficam impregnadas de óleo vegetal. Como pode mais vegetal ser prejudicial para você?
P: Flexões ajudam a reduzir a gordura?
R: Absolutamente não! Exercitar um músculo faz apenas com que ele aumente de tamanho.
P: Chocolate faz mal?
R: Tá maluco?!!!! Cacau!!!! Outro vegetal!! É uma comida boa pra se ficar feliz !!! E lembre-se: A vida não deve ser uma viagem para o túmulo, com a intenção de chegar lá são e salvo, com um corpo atraente e bem preservado. Melhor enfiar o pé na jaca - Cerveja em uma mão - tira gosto na outra - muito sexo e um corpo completamente gasto, totalmente usado, gritando: VALEU !!! QUE VIAGEM!!!
P S.: SE CAMINHAR FOSSE SAUDÁVEL O CARTEIRO SERIA IMORTAL...!

Sanzalando

21 de fevereiro de 2009

Ouço o mar


Ouço o mar e me deixo ir no seu suave embalar como se fosse uma manhã de esperança perfumada pelo vento. Fecho os olhos e me deixo levar nos braços das fadas que caminham nas nuvens dos meus sonhos. Esqueço as sombras, os lados ocultos, os gemidos de raiva e as lágrimas vertidas. Ilumino-me de sorrisos sobrevoando os céus da minha alma e reencontro os sonhos perdidos enquanto caminho nos caminhos silenciosos por entre templos de imaginação.
Ouço o mar e me deixo levar pelas paixões reflectidas no cristal da esperança.
Ouço o mar e vou ao encontro de mim.


Sanzalando

20 de fevereiro de 2009

Relaxamento

Me sento aqui enquanto ouço o mar se atirar na areia da praia num misto de raiva e ternura. É, olha só como ele vem em revolta para cima da areia e depois como se deixa assim num espreguiçar sobre ela. Vou mesmo só dedicar uns tantos poucos minutos a relaxar a minha cabeça, libertar dela os problemas e as preocupações. Não sei qual é a ordem desta desordem mas não é isso que importa. Importa é regenerar o interior, aromatizar a cabeça de ideias novas e desfrutar de prazer de existir.
Não tem melhor ambiente que este. Confortável, calmo e quente debaixo deste sol brilhante de Inverno. Música de mar, silêncios de gente. Estou num sentado quase deitado na areia. Desliguei do mundo. Só estamos eu, o mar, os problemas e as preocupações. Olhos fechados e sinto que respiro tranquilo. Sinto que estou a renovar o meu interior. Tenho como que uma foto dentro da cabeça. Nítida. Azul pastel debruado ao que me parece terra molhada. Sinto o perfume invadir-me no prazer do olfato.
Já só estou eu e o mar.
Já só estou eu.

Sanzalando

18 de fevereiro de 2009

Estás-te dormindo para mim

Dormes. Pelo teu respirar sei que dormes profundamente. Eu te olho. Procuro imaginar o que sonhas. Olhar-te assim vulnerável desperta-me uma enorme ternura. Dou por mim a olhar-te e a sorrir-me. Sou invadido pela minha irracionalidade e sinto um desejo enorme de comer-te, degustar o teu corpo que sei é suave e me parece doce. E tu continuas a dormir. Nada do que eu penso faz-te despertar e eu não consigo entrar nos teus sonhos.
Eu sei que estás num sono profundo e nem que eu faça uma grande loucura te acordarei para mim. Talvez seja isso a causa da minha loucura. Estás-te dormindo para mim.

Sanzalando

16 de fevereiro de 2009

Dando a volta ao Mundo da Imaginação (XI)

Olho na janela e lhe vejo o sol que me entra mas desconsegue aquecer. É mesmo sol de inverno na Europa. Não é o mesmo sol do meu tempo de criança, aquele que mesmo no tempo frio do inverno tropical, queimava com escaldão as peles sensíveis dos protegidos com os casacos das mães que tinham frio.

E foi aqui, nesta mistura de sol e nostalgia que dei comigo a visitar o Cristo Rei do Lubango, a vertente vertical da Tundavala, as quedas da Kalandula, o Deserto do Namibe e as suas dinossauricas Welwitchias, as Pedras de Andulo, os pilares do Miradouro da Lua.

E foi aqui que fui na caça e vi Girafas, Bufalos e Leões e desconsegui ver a Palanca e as Gazelas nos seus zig zags velozes e carregados de beleza.

E foi aqui que vi o prédio do BCA e a sede do Banco de Angola na capital.

E foi aqui que via a Praia Morena e Baía Farta.

E foi aqui que me lembrei que eram sempre as mesmas imagens que eu vejo quando me recordo do meu sol de criança.

E foi por isso que hoje não usei a minha máquina fotográfica nesta minha viagem.



Sanzalando

15 de fevereiro de 2009

Porque hoje é Domingo

Dizem que todos os dias devemos comer uma maçã por causa do ferro e umabanana por causa do potássio. Também devemos comer uma laranja por causa davitamina C e uma chávena de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
Todos os dias devemos beber dois litros de água (sim, e depois uriná-los, oque requer o dobro do tempo que perdemos para os beber).
Todos os dias devemos comer um Actimel ou um iogurte por causa dos "L. CaseiImmunitas", que ninguém sabe muito bem o que raio é, porém parece que se nãoengoles pelo menos um milhão e meio destas bactérias todos os dias, começasa ver desfocado.
Todos os dias devemos tomar uma aspirina para prevenir os enfartes e um copode vinho tinto, também para prevenir os enfartes. E um outro copo de vinhobranco porque faz bem ao sistema nervoso. E um de cerveja que já não merecordo para que é. Se os bebes todos juntos podes ter uma hemorragiacerebral mas não te preocupes porque não vais dar conta.
Todos os dias devemos comer alimentos ricos em fibras. Muitas, muitasfibras... até que consigas defecar um camisolão de lã.
Devemos fazer entre 4 a 6 refeições por dia, ligeiras, sem esquecer demastigar 100 vezes cada bocadinho de comida. Fazendo as contas, só no comerlá se vão 5 horas. Ah!, e depois de cada refeição é preciso lavar os dentes,ou seja: depois do Actimel e das fibras lava os dentes, depois da maçã lavaos dentes, depois da banana lava os dentes... e por aí afora se ainda tesobrarem dentes na boca, sem esquecer de usar o fio dental, massajar asgengivas e bochechar com um elixir oral.
É melhor fazer obras, ampliar a casa de banho e meter um leitor de CD's,porque vais passar muitas horas lá dentro.
É necessário dormir 8 horas e trabalhar outras 8, mais as 5 necessárias paracomer, tudo isto dá 21 horas. Sobram-te 3 e reza para que não haja trânsito.De acordo com as estatísticas, vemos televisão 3 horas por dia... Pois é,mas não se pode, porque todos os dias devemos fazer uma caminhada de pelomenos meia hora (por experiência própria: depois de 15 minutos volta paratrás, senão a meia hora torna-se uma).
É preciso saber conservar as amizades porque estas são como as plantas,devemos regá-las todos os dias. E até quando vais de férias, suponho. Alémdisso, temos de nos manter informados e ler pelo menos 2 jornais e um par deartigos de revistas, para desenvolver uma consciência crítica.
Ah!, devemos ter relações sexuais todos os dias, mas sem cair na rotina: épreciso ser inovador, criativo e renovar a sedução. Para tudo isto é precisotempo. E sem falar do sexo tântrico (a propósito, relembro que é precisolavar os dentes depois de se comer qualquer coisa). Devemos também arranjartempo para limpar a casa, lavar a louça, a roupa e já nem digo nada setivermos animais de estimação ou... FILHOS!!
Em suma, para abreviar, as contas dão 29 horas por dia. A única hipótese queme ocorre é fazer várias coisas ao mesmo tempo. Por exemplo: tomas banho comágua fria e com a boca aberta, assim bebes os 2 litros de água. Enquantosais do banho com a escova de dentes na boca, fazes amor (tântrico) com oteu/tua companheiro(a), que no entretanto vê televisão e te conta asnotícias, enquanto aproveitas para limpar a casa.
Ainda te sobra uma mão livre? Telefona aos teus amigo! E aos teus pais! Bebeo vinho (depois de telefonar aos teus pais, vais precisar). O Actimel com amaçã é o teu/tua companheiro(a) que to pode meter na boca, enquanto ele(a)come a banana com as fibras e amanhã trocam. E ainda bem que já somoscrescidos, senão ainda deveríamos tomar um suplemento extra de cálcio todosos dias.
Uuuuf!
Se ainda te sobrarem 2 minutos, envia esta mensagem aos teus amigos (quedevemos regar como as plantas) e fá-lo enquanto comes uma colherada de umqualquer suplemento de Magnésio, que faz mesmo muito bem.
Agora deixo-te, porque entre o iogurte, a maçã, a cerveja, o primeiro litrode água e a terceira refeição do dia com a dose diária de fibras, já não seique raio estou a fazer neste momento, mas sinto que tenho de ir urgentementesentar-me na sanita. Assim até aproveito para lavar os dentes!


Desconheço o autor, mas já prevaricava com uma boa bifana e um fino
Sanzalando

14 de fevereiro de 2009

Ler, olhar, escutar e recordar


De verdade não se trata de olhar ou ler muito um livro ou uma imagem ou vice versa. De verdade não se trata de ouvir vezes sem conta a mesma canção. Também é verdade que não se trata de ler muito, olhar muito ou tentar escutar tudo, não iríamos conseguir ler tudo, ver tudo ou escutar tudo. O que importa mesmo é ler, olhar e escutar bem. O que se trata é de nos deixarmos levar para dentro do que lemos, do que vemos e do que escutamos. O que importa é que a nossa imaginação voe para lá das linhas, dos olhares ou dos sons.


Porque só assim, afinal de contas, nós vamos poder recordar.

foto: Verkhovsky

Sanzalando

13 de fevereiro de 2009

Foi aí, que eu tinha sonhado

Na última vez que divaguei, soletrei as letras do teu nome numa cadência de dor e lágrima de saudade. Hoje, duma forma assim como inesperada, sem que eu tenha pensado em passar por ela alguma vez, tomei consciência que até os sonhos podem ter um fim, mesmo que eu não perca a capacidade de sonhar. Acho que irremediavelmente te perdi para sempre. Simplesmente assim. Me disseram que perdi a paixão. Aliás, me disseram assim num textualmente: não se vê já a paixão nos teus olhos. Me calei e vim para casa matutar. Irremediavelmente, que até eu nem vi mais paixão nos meus olhos. Te busquei em todos os meus cantos, deambulei por mundos, até pelos desconhecidos na tua procura. Visitei lugares que nem eu sei se existem. Percorri silêncios. Não estavas lá.
Foi aí, nesse instante que eu me senti assim que nem Adão quando foi expulso do paraíso. Abandonado e ao mesmo tempo preso no desamparo de uma mão aberta que se soltou no vento.
Foi aí que eu vi que já não tinha conversas sussurradas nas palavras comidas a meio, que os sorrisos se tinham acabado.
Foi aí que eu vi que se me tinham acabado as imagens que eu fazia de ti.
Foi aí que eu percebi que se tinha ido uma parte importante de mim e que me vai ser difícil recuperar.
Depois nasceu o sol e eu já não me lembrava do que tinha sonhado.

Sanzalando

12 de fevereiro de 2009

A propósito duma viagem


Sanzalando

11 de fevereiro de 2009

Dando a Volta ao Mundo da Imaginação(X)






Olho para um lado e olho para outro.
Pouco mais vejo que frio. Salta-me a tampa e num pulo estou na Islândia. Ainda há dias estava num país tropical, carregado de cor e banhado de alegria e hoje estou aqui rodeado de branco neve, enrolado em não sei quantas camadas que mais pareço um mil folhas que gente. Bem vistas as coisas só se me vê os olhos, e mesmo estes estão atrás dos óculos. Mais um pequeno passo estava eu a banhos na Gronelândia ou nas Ilhas Faroé. Eu sei que este paios foi considerado o mais desenvolvido do mundo e agora abriu falência parece é empresa do 3º mundo. Coisas que eu não entendo e por isso nem falo se quer. Me disseram num contar que eu não sei é verdade ou foi só para me encher de cultura barata que as ilhas eram vazias mas vieram para aqui uns irlandeses que eram padres ou monges ou lá o que é que eram que eu já não me lembro. Acho depois apareceu um Viking que se devia chamar Reiquiavique e que onde fez a sua casa nasceu uma cidade que é agora a capital. Claro está que isto sou eu a pensar. Para variar o Napoleão também andou por aquelas bandas e lá fez das suas, como eu imagino. De verdade é que isto aqui foi da Dinamarca durante uns tempos mas depois se separaram, assim num acordo de cavalheiros civilizados. Aí veio a 2 guerra e lá os Ingleses ocuparam a Islândia e lá se foi a neutralidade deles, até que ficaram sob a responsabilidade dos Americanos que como todos sabem estão sempre em todo o lado mesmo quando não são chamados. O período pós-guerra foi marcado por um importante crescimento económico, através da indústria pesqueira e pela reconstrução promovida pelo Plano do tal senhor Marshall.
Olha, nem deu para aquecer mas ao menos falei um pouco do frio branco que me rodeia.






Sanzalando

8 de fevereiro de 2009

Porque hoje é Domingo

e me deu uma preguiça danada então agarrei num copy/past e aqui está o post de hoje:

Call Center da Assistência Técnica TV Cabo:


"A minha mulher não saiu de casa à espera que a viessem montar!"
_____________________

- "O senhor tem computador?"
- "Tenho sim... tá ao fundo da escada! É o da água ou o da luz?"
___________________

"Boa tarde! Era para activar o meu desqualificador."
_____________________

"Bom dia! Eu quero ter o canal sexual em minha casa..."
_____________________

"Era para saber se já tinham motivado a minha tvbox!"
_____________________

Uma cliente: "Atão vieram cá montar a minha vizinha de cima e não me montaram a mim porquê???"
____________________

"Era só para dar o numero do pib para descontar no banco."
_____________________

Uma cliente: "Era só para dizer que já me montaram... Aliás, acabaram mesmo agora de me montar, e por acaso fiquei muito satisfeita... fiquei mesmo, o que é foram-se logo embora sem me sintonizar os canais..."

_____________________

Despiste técnico:
Assistente: "Desligue e ligue a powerbox e já deve ficar a funcionar"
Clt: "Já fiz e não dá nada !"
Assistente: "Depois de ligar a powerbox, que luzes é que tem acesas?"
Clt: A da sala e a da cozinha, porquê, faz interferência?"


Call Center Assistência Técnica duma rede móvel:


O Sr. quer que eu tire o chispe?
_____________________

Olhe, só liguei para dizer que se alguém me ligar pode deixar mensagem, porque agora vou desligar o telemóvel.
_____________________

Não tenho fax, eu quero é que me envie um fax por carta.
_____________________

Menina, queria que o meu número não aparecesse nos retrovisores dos outros telemóveis
_____________________

Cliente: Olhe, queria alterar o meu tarifário para Hamburger Life.
_____________________

Assistente: A senhora deverá ligar o número do serviço para ouvir as suas mensagens.
Cliente: Ligo para esse número e peço para falar com quem?
_____________________


Cliente: Queria saber se o meu número está conferencial ou não...
_____________________

Assistente: Qual é a marca e o modelo do seu equipamento?
Cliente: É um Inox 510.
_____________________

Cliente: Que quer dizer isto... chamadas de emergência?
Assistente: Significa que o telemóvel da senhora não tem rede neste momento
e só pode fazer chamadas de emergência.
Cliente: Ai, que alívio! Pensei que era para ligar para o Hospital. Estava
aflita a pensar quem é que estaria nas emergências.
_____________________

Cliente: Estou aqui com um problema no meu telemóvel...
Assistente: Qual é exactamente a situação?
Cliente: É que agora não me lembro do ping e o que é pior é que perdi o pum...
_____________________

Assistente: Qual é a marca do seu telemóvel?
Cliente: É um... É um... Brosch...
Assistente: Um Bosch 509?
Cliente: ... Um Mostorbosch...
Assistente: Um Mitsubishi?
Cliente: Isso, um Masturbischi.

Sanzalando

6 de fevereiro de 2009

Dando a Volta ao Mundo da Imaginação(IX)

Um teclado, um monitor em branco e eu de olho nele. Alguma coisa vai ter de aparecer ali.
Para já me entra pela janela um samba. Dou por mim e as rodas da cadeira estão a dançar. Me lembrei é Carnaval e logo iniciei um filme num sambódromo. Eu sou Mangueira. É o nome que me veio à cabeça e porque não me lembrei de mais nenhuma escola de samba. Mas o que eu vejo é colorido, alegria aos pulos, piada pronta à base dum quase nada.
Mas paro este filme e começo por cima. Sobrevoo a Amazónia e o seu grande rio e acabo a aterrar em Manaus . Aprendi aqui é o Pulmão do mundo. Quem sou eu para duvidar mesmo sabendo que há quem não respeita o seu pulmão quanto mais o de todos nós? Esse pulmão é mesmo atravessado pelo maior rio do mundo que é o Amazonas e os seus mais que muitos afluentes. A confluência entre o Rio Negro, de água preta, e o Rio Solimões de água barrenta, resulta num fenómeno popularmente conhecido como Encontro das Águas, que é uma das principais atracções turísticas da cidade de Manaus. E por aqui fui ficando, fui ver o teatro , a casa e não a peça. É o defeito do virtual. Visitei as casas ainda do tempo colonial. Ainda fui no mercado comprar frutas frescas. Conversei com os simpáticos índios da loja das redes onde eu já devia estar deitado .
O rio entra no mar com tanta força assim que até parece lhe empurra para mar alto, avançando sobre o mar, forma uma camada de água doce de dezenas de quilómetros sobre a água salgada. Por isso os primeiros europeus que visitaram o Amazonas o chamaram de “mar de água doce”.Já caminhei tanto a olhar para o monitor branco que ainda não consegui nem sair deste mesmo sítio.

Sanzalando

5 de fevereiro de 2009

num hoje

Hoje vou ficar-me pelo teu nome, ao que junto uma pitada de sorriso e quanto baste dum olhar. Vou calar-me para que em silêncio eu te possa soletrar cada letra do teu nome. 6 letras, em que duas se repetem. Em cada letra te imagino uma imagem, cada repetição um som. Repito-me uma e outra vez. Jazz. É, jazz de imagens e sons que ouço no silêncio do teu nome.
Hoje fico-me no teu nome, no que ele me ocupa desde que entrou no meu coração sem dar conta que um nome é tanta coisa.
Hoje recordo-te no meu silêncio de paixão.
Hoje perfumo-me com o teu nome.
Seis letras em que duas se repetem, no início e no fim.
Hoje fico-me por aqui!

Sanzalando

4 de fevereiro de 2009

Dando a Volta ao Mundo da Imaginação(VIII)

Calcei os meus nonkakus e perdi-me nas caminhadas dum deus dará. Na verdade de verdade não sei se foi telepatia. Não confundir com a tia do Péle nem com música da outra, mas a verdade é que eu estava a começar a minha viagem e dou por mim em Marraquexe, quando me tocou o telefone e o som que vinha desde o outro lado era assim uma espécie de arabesco misturado com muito ruído. Por isso me levantei e fui logo fazer um chá enquanto esperava que o trim voltasse a funcionar.
Marraquexe é por onde eu começo e não vou a Rabat que lá por ser a capital não me seduz. Se calhar é por isso mesmo.
Afinal de contas ele não faz parte da União Africana porque deve pensar que é Europa ou quê? Deve ser ainda influência dos romanos. Aqueles gajos estragaram tudo por onde passaram, excepto a Gália, mas só porque lá tinham o Asterix e aqui em Marrocos que eu saiba só tem aquele senhora que me quer vender uma tapete e até fechou a loja só para me convencer mas eu não lhe entendo e não lhe ligo. Porque para comprar era só um e tinha que ser voador. Daqui finjo que olho para Casablanca e não sei se ainda lá está o senhor Bogard nem a Ingrid. Mas isso é outra estória que não cabe nesta imaginação. Lá longe ficou Ceuta que acho que não ficou portuguesa porque as escadas só chegavam a meia altura das muralhas. Pormenores, penso eu. Mas eu também não vim aqui buscar nenhum dos esquecidos.
Mas vamos ao importante que é a viagem sem ter que levar com o pó.
Marrocos é um país de extremos e oferece coisas muito variadas a todo o tipo de turistas, quer esteja à procura de um destino de luxo ou quer vá de mochila usando transportes públicos e a boleia
Conheço imensa gente que já visitou Marrocos e diz que não gostou. Pergunto onde viajaram e respondem que foram de carro, ok, e que só visitaram Chefchaouen, Fez e Casablanca. E não gostaram. Ora eu também se fosse a essas cidades nunca mais lá queria por os pés. O melhor destes 3 destinos mencionados é sem dúvida Chefchaouen, mas depois da decadência louca de Fez e da emblemática cidade “estilo europeu” que é Casablanca, já não sabe tão bem apreciar o que de melhor lá existe.
Portanto o melhor mesmo é pôr quilómetros na viatura e quase não parar para ver tudo.
Mas a sorte que não é altura das tempestades de areia. Pois se não estava agora a deitar perdigotos para limpar a que tinha entrado enquanto não me calava.




Sanzalando

2 de fevereiro de 2009

Dando a Volta ao Mundo da Imaginação(VII)

Me estendi por aqui num preguiçar que faz de conta não tenho nem nada para fazer. Esquece só mesmo que tenho bué de coisas para fazer e que não chega um dia do nascer ao pôr do sol de outro dia, para lhas fazer.
Recorda só as nossas recordações. Todas e, vais ver, que todas parece foram ainda de ontem e vamos lhes brincar num imaginário mundo da gente.
De repente eu olho e estou a recordar quando eu ainda pensava que os bebes vinham de cegonha e da distante Paris. Não sei quem me pregou esta mentira, mas sei que durante algum tempo eu lhe pensei e sei que não foi fruto da minha cabeça que eu nesse tempo acho ainda não lha tinha como agora lhe vou tendo.
Mas imagina só a cegonha a trazer no seu bico comprido alguém que nem eu e dar assim a volta na Torre Eiffel que até parece é rotunda dos céus, depois a gente se virou na esquerda e foi até ao edifício redondo acho é da televisão e viu outros kadengues a brincar na rua, no tempo em que ainda se podia jogar à bola e saltar à macaca no passeio. Olha ali a minha amiga que é de Paris de França! Eu sei que ela ainda não era nascida quando eu supostamente ali passei carregado pela cegonha. Mas a viagem na imaginação tem destes benefícios.
Olha ali para baixo e vais ver o Palácio de Versalhes e o seu belo jardim. Olha agora, olha, a Piramede de vidro do Museu do Louvre. Pára aqui para eu ir ver o sorriso marota da Mona Lisa .
Vê agora esse outro aí que parece tem os canos de fora e se chama de Centre Pompidou.
Cegonha, pára aqui um bocadinho para eu ver nessa Igreja da Notre Damme se tem ai um tal de corcunda. Não paras? Egoísta! Noutra encarnação vais virar táxi para ver se não levas a onde te pedem e nem refilas.
Se tu parasses ia agora a Montmartre para eu ver se iniciava a minha colecção de arte moderna, ou pelo menos ia ver se tinha alguém conhecido.
Também me havia de calhar uma cegonha que nem tu. Egoísta!
Mas daqui a pouco salto desta alcofa e refugio-me no Arco de Triunfo e desço os Campos Eliseus e me esqueço que tu existe.
Cegonha malvada que nem de Paris me trouxeste, não me ensinaste a falar francês e ainda por cima me deixaste com um ouvido surdo para o piano.
Mon ami...


Sanzalando


WebJCP | Abril 2007