Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: Março 2010
recomeça o futuro sem esquecer o passado

31 de março de 2010

seguirei, cedo ou tarde. Mas não muito

Escolhi caminhos que me levaram a quase sítio nenhum. Um dia, relendo a história sigo o caminho apenas de memória.
Sanzalando

30 de março de 2010

de ver ao longe


Liguei o computador e verifiquei que tinha logo ali deixado uma série de sentimentos. Era a vez não sei quantas que eu tomava consciência do meu desnudar de alma perante ti. Procurei formas de me esquecer-te, desenhei letras no céu, pintei estrelas na imaginação, fotografei tudo num quase nada, sequei as lágrimas, calei as palavras.



Sanzalando

29 de março de 2010

ruas e vielas

Coloridamente me estreito por ruas e vielas


Sanzalando
Posted by Picasa

28 de março de 2010

um braço de mar


Torcido no tronco um braço de mar acaricia a solidão

Sanzalando
Posted by Picasa

27 de março de 2010

Estádio de sítio

Procurando com os meus olhos a longitude duma qualquer coordenada que não esteja condenada à latitude dum quarto de quatro paredes forradas de nostalgia.


Sanzalando
Posted by Picasa

26 de março de 2010

Telefonicamente subindo escadas




Sanzalando
Posted by Picasa

25 de março de 2010

Tanto mar e eu em terra




Sanzalando
Posted by Picasa

24 de março de 2010

Como hoje também estou...


No dia 16 de Abril no Centro Cultural das Caldas da Rainha.
No dia 20 de Abril no Museu do Oriente em Lisboa.
No dia 24 de Abril no Cine Teatro Avenida em Castelo Branco.


Sanzalando

23 de março de 2010

POrque estou hoje...



Sanzalando

22 de março de 2010

Salada de assunto sem motivo

Não sei o que é pior, se não editar aqui qualquer coisita no meu habitual rotinário, porque não tenho ideias, porque acho que já disse tudo, porque já se me gastaram as lágrimas que tenho para chorar, porque já naufraguei em toda a nostalgia, porque já desejei todos os meus desejos, ou porque tenho tanto ainda para contar, para dizer, para chorar, para rogar por mim, o que não tenho é vontade de estar aqui sentado a debitar letra a letra numa canhota que não há meio de se educar e reciclar para a utilidade duma direita indefesamente menos válida.
Pese a situação conjectural - que é que foi que eu disse? - custa-me deixar aquela meia dúzia de não sei quantos leitores que aqui vêm numa religiosidade que até parece ritual vêm ver o que foi que ele agora chorou.
Deve haver por aí outros mundos onde poderão até chorar por mim, no meu, ignorantemente, passo despercebido, o que me leva a um síndrome, amplamente documentado na literatura científica, pelo menos sonhei que sim, em que além da grande dificuldade de adormecer se aqui não debitar seja o que for, atira-me para lojas de sapatos com avidez de comprar ou até para lojas de informática na busca de novidades, em vez de me deixar cair refastelado no sofá e pensar que eu agora não estou a transpirar, não sinto o cheiro a pó, não preciso urgentemente duma birra geladinha, não tenho de ouvir o infernal trânsito de todas as horas de ponta.
Deve ser uma andropausa literária que me faz ver as coisas deste prisma fosco, quase opaco, que desenha um sorriso em forma de ruga, permanente, na minha face parecendo que eu sou eu quando não o sou.
Até já!




Sanzalando

21 de março de 2010

Dia da Poesia



Sanzalando

Poesia num domingo ou nada disso

Andava para aqui às voltas com um regresso ao futuro, que não me levou a lado nenhum e o pousei num canto da gaveta à espera doutros dias. Já sonhei por instantes, constantes e repetidas vezes, já naveguei numa garrafa, já pintei sonhos em tons garridos, pintei frustrações em cores pálidas, nadei em mares de nostalgia, afoguei-me em lágrimas de amores ultrapassados, dialoguei-me em silêncios enquanto abafava dores gritantes que nem as mais berrantes cores eram capazes de descrever, ultrapassei medos que chegaram a pavores, quando me disseram que hoje era dia de POESIA. Ai se eu fosse poeta escreveria em voz de declamador um qualquer poema de amor. Mas assim sendo prefiro sentar-me a ler um livro de poesia. Pode ser Ondjaki. Porque não?
Bom Domingo!

Sanzalando

19 de março de 2010

Dia do Pai

Hoje se calhar era dia de escrever para aqui tantas coisas que nunca tive oportunidade de dizer ao meu Pai. Ele morreu eu tinha 4 anos e nessa altura a gente não tem nada para dizer. Depois, depois quase também não. Só começa a ter para dizer quando o olhar começa a ver as coisas duma outra forma e, eu aí já não o tinha, para lhe dar as minhas palavras embrulhadas em lágrimas ou enfeitadas em gargalhadas.
Assim sendo, recordando que sou pai, hoje é dia de eu ouvir.

Sanzalando

18 de março de 2010

Foram chegando

Nas noites de luar, sentados nos vãos de coisa nenhuma, os casais, quase sempre novos, faziam a lista de sonhos e quereres com vontade de que o dia que vai amanhecer lá mais para depois seja um dia de sol diferente. Os seus sonhos, desejavam, tinham de se tornar realidade, assim como a distância que os separava da terra chão deles se tornava em saudade, em lembranças de fome e outras misérias. Era assim como numa matemática fórmula em que a saudade era reduzida à infinitésima parte do sucesso ali alcançado. Nos seus lábios pariam sons que se julgam eram ternuras porque amanhã era mais uma despedida, mais um dia no mar que podia ser calmo ou, algumas vezes, ele ficava tão raivoso que até vinha na vila lhes roubar as pequenas coisas que tinham sido inventadas e que eles por acaso até tinham. As mãos deles, enrugadas e com meiguice de uma lixa talhada pelo sal do mar, lhes acariciava os cabelos, normalmente longos, porque para aquelas paragens ainda não tinham ido as profissões mais delicadas, e lhes faziam promessas dum depois de amanhã muito melhor.

Aos poucos foram crescendo, apareceram professores que ensinavam aos meninos as letras e mais os números de bem calcular e a elas lhes iam ensinando, amigas e vizinhas, novas formas de tricotar e de remendar. Do aparente quase nada foram aparecendo, primeiro os barbeiros, sabe-se lá se eram homens que não aguentaram as ondas do mar, depois as modistas que, copiando as revistas que anos de atraso demoravam a chegar, fabricavam a última moda para os pequenos e cada vez mais frequentes bailes de fim de semana.


Sanzalando

17 de março de 2010

inventar o futuro do passado

Deste livro poeirento só falam dos homens do mar. Mas eu não lhe abro para não estragar com as poieiras das novas coisas. Lhe leio apenas com a memória dos que me disseram que um dia alguém lhes contou o que não sei quem tinha lido. Para muitos, estar ali era estar no jardim proibido. Tinham medo das feras, que nunca tinham visto e passariam anos que nem lhe ouviram mas as estórias chegavam sempre bem apimentadas e com um refugado parecia feito a gosto de dar o desgosto de estar ali. Eram tantos barcos novos que haviam rumado da linha de cima que divide ao meio esta bola que parece foi inventado por um de tal Galileu num dia que deve ter respirado uns vapores que outros não gostaram e lhe deram um castigo que durou mais que muitos 100.

Mas se os barcos aguentaram tamanha aventura ainda haviam de provar que aguentavam mais uns tantos anos ali na apanha de peixe para secar e mais não sei que essa parte não me contaram e eu acho ainda não tinham inventado a farinha de peixe nem o oleo de fígado de bacalhau.

Mas uma coisa foi certa, me garantiram, todos estavam virados para o mar. Até as mulheres, mais não seja para verem quando é que eles voltavam e lhes preparar uma refeição quentinha que depois se havia de ver o resultado no povoamento.


Sanzalando

16 de março de 2010

Assim me transparentam o meu futuro que foi passado

Vou sabendo aqui e ali, recordando poeiras de livros faz tempo não são abertos, das coisas que te dizem respeito desde o tempo em que eu ainda não tinha sido criado no ventre da minha biavó. Me dizem eles que as casas eram buracos, o mar subia e lhes levava metade. Sempre apenas metade para poderem continuar e recuperar a metade até lha perderem de novo. Se morria sempre do mais no mesmo e sempre uns se salvavam ainda não sabiam nem porquê e já estava outro na barriga para substituir. Assim cresceram famílias que no deserto roubaram areia e ao mar lhe tiravam os peixes para lhes comer, o sal e outras coisas que hoje até parece é normal, mas que na poeira dos livros castanhos de cuidados mil para não se fazerem em pó como o que lhes cobre, me dizem que era coisa muito esquisita. Depois uns tinham mais cabeça e as palavras eram mais fluídas e passavam a patrões e outros que eram da mesma geração e da mesma escola quando ainda nem isso havia continuavam a ser os outros, os braços do trabalho, os que iam para o mar fazia 45 dias até voltarem em casa e fazerem outro descendente. No buraco não havia luz, o rádio ainda não tinha chegado àquelas paragens e os livros ainda não eram impressos se não em caligrafia de deve e haver. Esses dos 45 dias eram os que corriam a costa de sul a norte e vice versa a fazer a cabotagem de leva isto e trás aquilo. No resultado sobrava era mais um filho nos sete que era a conta mais habitual.

É isto que os poeirentos livros me estão a dizer ao ouvido que eu tenho medo de lhes abrir não vou ficar com alergia. Mas que é um diz que disse e não um de ouvi dizer é.

E me estava a esquecer de que era hábito, ainda não sei porquê e acho nem vou saber que isso é muito para mim, rezavam todos os dias três terços de ir à missa no Domingo mesmo que o padre faltasse.

É assim que me transparentam esses passados do meu futuro.

Sanzalando

15 de março de 2010

Futuro de ontem

Me atiro nos teus braços como se tu chamasses por mim num constante e docemente tempo. Até parece eu sou frágil, folha de papel que voa no vento leste e se amolece na madrugada de cacimbo como se a preguiça fosse um estado de espírito. Os meus braços, sempre estendidos para ti, o meu olhar sempre a ver-te e um desejo enorme de te ter.

Como eu gostava de voltar a ser menino, brincar descalço no alcatrão escaldante que até parece é líquido, esfolar os joelhos, calejar as mãos em trapezismos no escorrega do parque que nunca mais eu conheci um igual.

Mas me recordam sempre que o tempo não é de voltar atrás e as forças já não são mais como é que eram, os prédios grandes ficaram baixinhos que até parece tudo virou miniatura e a criatura que antes pensava duas vezes ver as garinas lá nos lados do colégio agora olha e pergunta como é que ficou assim mais perto, parece o mundo encolheu.

Mas me atiro nos teus braços só por sede de ser abraçado por ti e com vontade de recordar os teus velhos paludismos, tifas e tifos, diarreias e suores que levaram gente que até parece estavam ali por condenação.

Hoje já não tenho os braços esqueléticos de avôs e avós para me contarem as tuas estórias, as suas lágrimas, as suas vontades de nunca desistirem e hoje, por um mero qualquer ruído se atravessa o mar em direcção a outro canto para além da imaginação.


Sanzalando

14 de março de 2010

Tanto mar ou não

Não sei quando estarei na última página. Não conheço este livro chamado destino. Comecei a lê-lo sem o ter pedido a ninguém, vou-o lendo página a página, umas vezes com vontade voraz de o ler todo repentinamente, outras vezes leio-o preguiçosamente como se fossem difíceis as palavras ou a vista não está para ali virada. Mas neste livro sempre encontro o mar. Separa-me. Embala-me. Enamora-me. Azul. Verde. Branco. Castanho. Salgado sempre.
Por isso hoje fui ver o mar. Simplesmente isso: vê-lo.

Sanzalando

13 de março de 2010

por hoje poesei-me

Hoje me apetecia escrever poesia. Degrau supremo da literatura. Mas quem sou eu para tal ousadia?
Assim, olho para o teu rosto que me está fixado na memória, com a certeza que assim não me acompanhas no envelhecimento, não rabujas com o tempo nem me atropelas os passeios com um passo desprático.
Como os meus olhos nos teu, dirijo-te a palavra, com deferência, educação e algum picado de humor.
Te sinto mar, azul e salgada, ondulando suave e docemente como quem me ouve num quase adormecer. Ouço-te respirar como se tivesses medo que o ar se te acabasse.
Te sinto rosa, perfumada, linda.
Já sei que o que eu queria era escrever-te em poesia.


Sanzalando

12 de março de 2010

Silêncio, Instante e Sonho

Troca de olhares. Imagino que tenhamos trocado de olhares. A distância não me permite ter esta absoluta certeza. Sei que te atirei o meu olhar o mais rápido que pude quando te imaginei ao longe a olhar-me. Senti uma química, poderá ter sido uma física ou apenas um arrepio. Balbuciei o teu nome. Ao meu lado me olharam com olhos de admiração. Quebrei o silêncio por tão breves instantes que nem eles hoje ainda sabem se foi sonho ou não. Tornámo-nos amantes sem que tu o soubesses. Eu sofrendo e tu seguindo a tua vida em prosperidade e altives. Eu chorando e tu de festa em festa mostrando lantejolas, brilhos e sorrisos. Eu sempre pensei que um dia, distantemente ou não, andariamos de braço dado, olhos nos olhos como se fossemos um apenas. Para ti sempre foi igual, deslumbrante, encantada encantadoramente sem olhares para o meu olhar silencioso que de instante em instante te sonho.

Assim termino, prosamente, a poesia que em silêncio te sonhei em cada instante.


Sanzalando

10 de março de 2010

inundado de palavras caladas

Quem é que pode saber se eu estou inundado de palavras caladas? Já perguntei a bruxos, falei com deuses, tentei ler nos astros e em búzios. Respostas foram como elas, silêncios perpétuos, como outros silêncios que aguardo faz anos que sejam rompidos.

Será que calo as palavras que deveriam ser ditas e digo as que estariam melhor se fossem caladas? Enigma. Palavras cruzadas em passatempos de vida. Charadas.

Ao menos, quando estou só, calo em gritaria as palavras que ninguém as ouve, recordo os olhares como eram faz tempo de adolescências esquecidas. Os meus lábios tentam cantarolar os fados, as mornas, as kizombas e os sembas e os sentimentos afogam as palavras antes delas serem ditas.

Quem é que pode saber se eu estou inundado de palavras caladas?


Sanzalando

9 de março de 2010

silenciosamente

Deixa estar o silêncio, deixa-me ouvir esta surda dor que vem dali dos lados do coração. Sente-la? É demais para ti se mal sabes que eu existo neste canto rodeado de silêncios. Acelara-me o coração, ouço violinos, guitarras, arpas e outros instrumentos duma qualquer orquestra inexistente, só porque atrás do silêncio parecia-me ter-te visto a acenar-me. Como sempre, quando te encontro, estás de saída, não me vês porque não me olhas num propósito que um dia te poderá sair caro. Mas não quebro o silêncio para te chamar, para te implorar para te rogar. Chamarão por isto amor, eu diria doença.

Sofro-te, mas silenciosamente!


Sanzalando

8 de março de 2010

silêncio de memória

Deixo correr o silêncio como se fosse o meu sangue. Veias, artérias e demais pontos estão cheios de silêncio. Nesse silêncio, onde não se encontra hemoglobina, leucócitos e linfócitos, plaquetas e demais corpos e anticorpos, encontra-se a memória, aquela que até parece que me pagam para transportar em cada instante, mesmo que me faça soltar lágrimas, mesmo que me faça querer desaparecer, aquela que me martiriza a memória. Posso esconder-me no mais recatado recanto do circular mundo que ela lá está, agarrada ao meu silêncio, agarrada ao meu corpo. Seja inverno, seja verão, chuva ou faça sol, o meu silêncio trás-me a memória da saudade desse amor eterno. E eu, silenciosamente, tenho que ter a memória viva. Eu sou esse silêncio, quer queira quer não.


Sanzalando

7 de março de 2010

Não acordes o ruído

Silêncio, por favor não acordes os medos de ontem nem afugentes as esperanças de amanhã. Não me atormentes a felicidade da memória nem me rasgues o paraquedas dos sonhos. Deixa-me sentir o silêncio e saborear as vitórias que eu imagino que já tive. Deixa-me entranhar na luminosidade silenciosa desta manhã de chuva e dizer que sou um sortudo porque ainda sei sorrir.

Mantem-te em silêncio, por favor, não me acordes desta realidade que imagino verdadeira, em que sinto o perfume da terra molhada, do mato queimado e do suor dos corpos que repousam nas eiras solarengas duma praça.

Silêncio para não acordares o ruído.


Sanzalando

6 de março de 2010

através do silêncio

Neste momento de silêncio tropeço em palavras que disse um dia, em ideias erradas que me passaram pela cabeça e soletrei até decorar como se elas fossem realmente boas, em conceitos por mim inventados como se fossem realidades. Afinal de contas eu dou conta da minha realidade, da minha existência, dos ruídos de fundo que emanam dos precipícios em que me coloquei, das coisas felizes em que me inventei, das lágrimas choradas por minha culpa.

Afinal de contas, através do silêncio, vejo que o mundo tem uma cor diferente na realidade, um pulsar diferente da batida do batuque por mim musicado, que a cara fechada não é sinal de tristeza, que a lágrima pode não ser de dor e o grito pode ser de alegria.

Através do silêncio espreito a minha sina, aguardo um chamar, que pode ser silencioso, um beijo na face que pode ser imaginário, uma carícia que deve ser real.

Através do silêncio sopro os quatro ventos e aguardo com paciência por uma palavra simples e pequena.



Sanzalando

5 de março de 2010

Silêncio do destino

Dizem que qualquer palavra pode ser reinterpretada por quem a escuta. Penso que com o silêncio se passa o mesmo, depende com quem se reparte. E os olhares? Até se consegue mover almas e receber sentimentos secundários.

Mas hoje, sem palavras, dirigi-me ao lugar onde repousa o destino. É, o destino está ali deitado, num vale verde e silencioso à espera que o seu real proprietário o vá buscar. É o destino do destino. Vasculhei, procurei, li rótulos, uns meio apagados por estarem ali tempo faz muito, e não descobri o meu. Tenho de lá voltar outro dia, assim num dia que tiver todo o tempo do mundo e depois, se o encontrar, só devo ter tempo para ver o destino que perdi. Mas em silêncio viverei o restante destino que sobrar. Vou chorar o destino que me esqueci de procurar mais cedo? Que culpa pode ter ele.

Por lá encontrei velhas lendas que também se esqueceram de ir buscar o destino e estavam destinadas a outros feitos que não aqueles que eu lhes conheci. Encontrei desilusões, atiradas para um canto como que jogadas fora quando o destino foi com o seu dono.

Em silêncio vasculhei, li, chorei e ao sair na promessa de voltar quando tiver outro tempo, pensei, que não sei se ganhei ou perdi, por não ter encontrado mais cedo o meu destino, sei que sofri, mas caramba, também fui feliz.


Sanzalando

4 de março de 2010

Uma carícia de silêncio

Porque às vezes as perguntas se fazem por pequenos gestos, eu hoje gostaria de saber do meu amor, pelo que disparei o meu olhar para lá do horizonte e deixei-o fluir sem esboçar nenhum som. A resposta veio num olhar de retorno, silenciosamente, directa ao meu coração, nem afectos nem carícias, sem rosto nem identificação e fez-me sorrir.

Foi um pequeno silêncio tornado carícia.


Sanzalando

3 de março de 2010

Silêncio das sombras

A luz trémula dum candeeiro de petróleo faz projectar na parede a minha sombra disforme. Silenciosamente o tempo foi modificando a silhueta, o perfil, a face, a contraface parecendo eu já um contrafeito produto de mim. Mas me olho na parede, onde sobressaem curvas, onde a largura não é mais muito diferente que a altura, e sigo a linha de prumo que pensei um dia havia de seguir. Na verdade sigo-a em câmara lenta ou em parada tantas vezes. Mas na verdade acho que os ímpetos são os mesmos, os gestos afagados apertados, os sorrisos, se calhar já não gargalhados, continuam a ser sorridos. Os perfumes continuam a ser os mesmos, assim como os odores recriados de memória. Se calhar o que mudou foi mesmo o silêncio, a silhueta, o entusiasmo aparentado.

A luz trémula do candeeiro de petróleo apenas vem acentuar alguns dos vectores desta equação interminável, tatuado no corpo nu em formas de rugas, pregas, almofadas e umas ou outras flácidas partes.

O silêncio trás-me de volta às voltas da fala calada, aos desejos desejados e não esquecidos. Pelo menos por mim!


Sanzalando

2 de março de 2010

no alto dos silêncios

Sigo os meus silêncios como se estivesse a cumprir uma qualquer promessa, uma recordação, uma memória. Tento dentro do silêncio descansar ainda que as recordações parecem que duplicam, ainda que as imagens memoráveis se projectam com mais intensidade na tela do pensamento. Neste silêncio absorvo o fumo do cigarro que não fumo, saboreio o vinho que não bebi, e apanho os raios de sol que não apareceu por hoje. Vagueio-me de silêncio em silêncio como quem quer viver eternamente neste silenciado instante. Não, não me escondo no silêncio, vivo-o. Se eu fosse um pássaro, subia alto nos céus para em silêncio me rever nos passados da memória.


Sanzalando

1 de março de 2010

Silêncios de ver e ouvir

Deixo os meus olhos brilharem como se estivessem enamorados, porque acredito no amor, naquele que às vezes doi, naquele que às vezes nos faz esquecer outras coisas da vida, naquele que às vezes te vêem mesmo na tua ausência.

Ouço o marulhar mesmo não tendo o mar à vista porque sei que lá mais para o longe ele me espera como sempre me esperou, ele me trás novidades como sempre me trouce, ele está ali a acreditar.

Brilham-me os silêncios neste amor de sonhos, realidades, virtualidades, nestes gritos de dor, nestas gargalhadas de alegria, nestas lágrimas que me apatecem chorar por chorar.

Mas afinal de contas, com tanto silêncio já tenho dificuldade em ver e ainda mais me custa ouvir.



Sanzalando


WebJCP | Abril 2007