Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: vento e a cidade
recomeça o futuro sem esquecer o passado

16 de maio de 2011

vento e a cidade

Mergulho no mar da imaginação, procuro imagens de memória e acabo sorrindo com um brilho nos olhos. Felizmente a praia está deserta porque apenas eu tento aqui segurar o vento, fazer com que ele não invada as ruas desertas da minha cidade adormecida no tempo. Seguro o vento e as areias do deserto que com ele viajam. As minhas amarras, as cordas que me seguram, são férteis pensamentos que trago na imaginação decorados numa memória que já não sei se é real ou apenas isso mesmo, imaginação. Mas sorrio porque me lembro do teu sorriso de Mona Lisa quando nem ainda sabia quem era esta, porque recordo o teu olhar brilhante que brilhava como que nem dois diamantes quando nem sabia o que era isso. Para o que me havia de dar neste dia de vento leste. A tua imagem, a tua fotomemória, o teu sorriso e o teu olhar. Deve ser sueste, ou outro cardinal que para isso não tenho preferências.
Tu, o vento e a cidade, as minhas constantes memórias. Sopra vento que eu te seguro antes de chegares na cidade.



Sanzalando

2 comentários:


WebJCP | Abril 2007