Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: afinal tenho medos
recomeça o futuro sem esquecer o passado

12 de junho de 2013

afinal tenho medos

Molhados os pés no zulmarinho como a que me ligar ao outro lado de lá, me deixei embalar nos sonhos de sonhar acordado, de ver o futuro imaginado e sentir os perfumes cheirados.

Me perguntaram do que é que eu sentia mesmo medo. Eu me calei porque não encontrei resposta na ponta da língua. Parei, pensei, debrucei-me sobre pensamentos e palavras já ditas como que a procurar uma resposta das respostas já prontas e nada. Vieram-me à cabeça palhaços, monstros, animais e sentimentos. Mas nada de sentir medo. Soltei um tenho medo da solidão, apenas para não ficar calado. Acho mesmo foram só os lábios que falaram. Nem cérebro nem coração tiveram, tempo de me calar.
Olhei em redor e vi gente carregada de solidão, olhos tristes de desconfiança, crianças de mente poluída e senti um aperto no coração. Senti medo. Medo de futuro!
Continuei molhando os pés no zulmarinho, ligado ao outro meu mundo, e desconsegui soletrar palavra que fosse, as barbas longas cresciam num ritmo nunca visto, os homens cansados sentados a um canto. Senti medo. Medo de futuro!
Agora já era tarde para coração e cérebro mandarem na minha boca. Já não tinha a quem responder porque já não tinha futuro mesmo caminhando no zulmarinho.
Olhei para o lado e vi uma criança caminhando enquanto cantava. Sorri e pensei. Tenho medo de futuro mas ainda tenho futuro mesmo que caminhe por caminhos tortos.





Sanzalando

0 comentários:


WebJCP | Abril 2007