Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: obrigado ao ser
recomeça o futuro sem esquecer o passado

21 de janeiro de 2016

obrigado ao ser

Quando eu era pequeno bastava estar sol lá fora e tudo se resolvia. Com a idade as coisas passaram a ser diferentes. Não imagino se foi o pensamento que se complicou ou se foi o mundo só por ele que se tornou mais num complicómetro. Às vezes até o respirar parece uma complicação. Olhar, somente olhar é difícil. Sorrir? Tem vezes parece custa um peso do tamanho do sol.
Mas juntos fomos lá. Horas e horas de avião. Sobrevoamos meio mundo, exagerando um bocado porque o exagero sempre faz parte de quem conta alguma coisa. Vimos coisas. Vivemos coisas. Sentimos coisas. Tudo foi bonito. Vimos sorrisos onde menos esperávamos. Sentimos agradecimento onde nem imaginámos. Sentimos gente que com coisas simples são felizes.
Assim me lembrei que basta tu segurares a minha mão e eu sinto-me seguro. E foi assim que eu senti que os meus olhos também sabiam sorrir, quando vi os teus sorrirem-me. Foi assim que eu descobri que esta vida já tinha tanta frustração que não valia a pena eu procurar novas. Foi assim que descobrimos que podemos estar loucos, mas somos felizes.
Eu sei que procurei muito, mas quem o faz sempre o encontra. Obrigado a tu, por tudo e por nada também, que tem um coração feliz dentro de ti.

«Também chamada de mehendi, a henna é um arbusto que só nasce em regiões quentes e suas folhas, depois de secas e trituradas, servem como base da pasta que se usa para as tatuagens temporárias. 
- Por ser refrescante, a henna também é usada na Índia para aliviar o calor intenso. Basta mergulhar os pés e as maõs numa emulsão feita da planta. 
- Na Índia, a henna também é usada por homens e mulheres para tingir os cabelos. Já no Egito, a planta era usada no processo de mumificação. 
- Considerada auspiciosa, a tatuagem mais apreciada é formada por desenhos que fecham as mãos como luvas e os pés como meias rendadas

Sanzalando

0 comentários:


WebJCP | Abril 2007