Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: morri, mas não
recomeça o futuro sem esquecer o passado

11 de janeiro de 2017

morri, mas não

Deixo-me seguir frio fora como rio gelado segue seu caminho. Soletro mantras, recito poemas decorados na escola de tempos que já lá vão, medito sobre mim e sobe nada que sobretudo levo vestido.
Recordo passagens que decorei em sebentas de capa vermelha, em folhas avulsas e em resmas de pixeis. Morri de amores, morri de saudades, morri de vaidades e quem sabe ciúmes. Mas aqui continuo eu a vagabundear-me por palavras e silêncios, a tempo inteiro ou destempo, vivo e sorrindo em cada olhar trocado na cumplicidade de amores imperfeitos que tentamos aperfeiçoar em cada gesto simples de vida.


Sanzalando

0 comentários:


WebJCP | Abril 2007