Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: 65 - Estórias no Sofá - O avião do amor
recomeça o futuro sem esquecer o passado

15 de fevereiro de 2017

65 - Estórias no Sofá - O avião do amor

Lhe disseram assim num anuncio de televisão que ia haver o dia dos namorados. Ele pensou mesmo como fazer para surpresa da sua amada. Quem ama surpreende, pensa ele todos os dias. Nesse dia especial tinha de ser como o nome indica, um dia especial. Vai fazer mais como? Ela tem tudo. Flores murcham, só se fossem de plástico e isso não é natural nem fica bonito oferecer baclite. 
'Já sei', disse ele para si mesmo. 
Foi na internet. Quer dizer, ligou o tablet que ele é gajo moderno. Procurou uma viagem que coubesse no bolso dele. Isto é, que não estragasse o resto do mês nas contas para pagar. Olha aqui. Viagem a Londres a preço de ir à barra. Leu e releu até ter a certeza que nas linhas mal lidas não ia estar uma armadilha que lhe ia estragar não só o resto do mês como o resto do ano. Preencheu todos os campos até conseguir comprar os dois bilhetes e pagar sem erros ou enganos, nas datas que dava jeito.
Marcou hotel num subúrbio para ficar mais em conta. Tudo na internet. Londres é grande e subúrbios tem muitos pelo que comboio para norte, sul, leste ou oeste tanto faz. Este tem fotografia e é bonito. Fica já este. Sai mais caro o hotel que a viagem toda. 
'Mas se já marquei o avião... tem de ser. É dia dos Namorados...' disse isto soletrando como se fosse difícil decidir.
O sol até brilha nos intervalos da chuva. Lá vai o casalinho numa viagem de sonho a preços económicos. Maneira de dizer para justificação pessoal.
Entram no avião depois de passar por tantos corredores que parece é um labirinto de fitas, de descalçar os sapatos, de ser apalpado com delicadeza, de mostrar bilhetes e cartões, chaves e desodorizantes, lacas e creme da barba. Avião cheio. Ele pensa que ainda tem gente que vai ter que ir em pé que nem em autocarro da Carris.
O sr. Comadante fala em inglês uma coisa que nem ele entendeu porque o som era baixo ou as outras pessoas falavam muito que nem lhe deixaram ouvir. Irrequietou-se. Avião é assunto sério. Não é autocarro ou comboio carregado de gente ao abuso.
O avião faz marcha ré. Ao mesmo tempo tem hospedeiro que fala em português correcto e claro.
- Srs passageiros, o Comadante Lewis deseja a todos uma boa viagem. A Viagem até Londres vai demorar 2 horas 27 minustos e 04 segundos, podendo atrasar uns três segundos. Não se pode fumar  dentro do avião nesta viagem. Quem o quiser fazer tem que ir lá para fora e acertamos com a IATA que nesta viagem não íamos abrir a porta para ninguém...
Disse mais umas coisas por causa da segurança e se calou. O avião parou, acelerou muito começou a andar e assim num momento parece tiraram o chão debaixo e começou a voar. Ele só olhava na janela. Que lhe visse ia pensar que ele ia com medo. Mas era só curiosidade. Ele ia a fazer contas assim na velocidade que podiam ir. Mas aqui não tem marcos para fazer contas de cabeça e este avião não tem ecrã para mostrar o mapa.
Lá continuou ele a sua viagem rumo a Londres.
- Srs passageiros, peço um pouco de atenção porque neste voo têm à vossa disposição um serviço de vendas que para além da isenção de taxas também dá desconto nos cartões Continente e Pingo Doce. Podem comprar desde pioneses até carros de luxo a entregar ao domicilio.
Claro que foi gargalhada geral.
'Então não servem nada a bordo?' perguntou ele em voz baixinha à sua apaixonada. 'Ouve lá, ao preço que compraste o bilhete querias o quê?' resmungou ela assim como que acordada dum susto. 'Vou pedir uma cerveja', balbuciou ele assim num temor. 'Pede sim, coração'. Respondeu ela já acordada e docemente.
'Faxavor!!!?
- Sim senhor pasageiro? Que vai comprar, um carro ou uma casa? Um relógio ou um chupa chupa? era o mesmo comissário que havia feito os anuncios anteriores. Só podia.
'Quero uma cerveja?'
- Com certeza. Bem gelada, calculo?
Timidamente respondeu que sim, não fosse sair ali uma piada sem resposta.
- Aqui a tem. Os tremoços o meu colega que ficou de trazer não veio hoje trabalhar.
Gargalhou timida e envergonhadamente. Nunca havia viajado num avião feito machibombo com serviço de bordo assim.
Após o avião aterrar e ainda rolava pelo aeroposto parecia cem kilometros mais, lá foi o Comissário falando:
- Senhores passageiros, aqui o tempo está ruim, chove e faz frio. Não se esqueçam que têm de falar inglês que aqui ninguém entende outra língua e se por acaso não souberem falar não soletrem em português, calem-se apenas.
E foi assim que começou a aventura de Tedy num fim de semana a Londres



Sanzalando

0 comentários:


WebJCP | Abril 2007