Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala
recomeça o futuro sem esquecer o passado

24 de maio de 2017

Eu sou eu que nem eu mesmo

Alô. Aqui estou eu novamente a conversar comigo mesmo. Olhei para trás, assim num modo de olhar pela vida vivida, escrita, sonhada ou simplesmente calada que passei ao longo dos tempos. Sei que parece não é saudável olhar assim para trás e ter medo de dar nostalgia ou saudade, tristeza ou depressão. Sei que não é de mim que eu gosto de ver. Mas tem dias que apetece e a gente deve fazer isso que nos apetece. Sei que andei a fazer mudanças radicais, principalmente nos radicais livres e nos outros quaisquer também. Fiquei a saber que consegui encontrar-me. Afinal de contas eu consegui continuar a ser eu. 
Pode ser que eu esteja a ver mal e que esteja a olhar para alguém parecido comigo. Assim tão parecido acho impossível. Olhei mesmo foi para mim. Não me importo de me ter enganado. Acontece ou pode acontecer. Imagina que já não olhava para mim faz assim muito tempo e me tinha esquecido que era assim que nem sou. Podia olhar e me enganar. Voz parecida? Igual direi. Olhar alegre? Que nem o meu, digo.
Já sei. Não tenho piada. Eu disse que era para ter?.
Tudo normal. Eu sou eu que nem eu mesmo.
Sou tão parecido comigo. Acho preciso de auto ajuda de mim mesmo.


Sanzalando

19 de maio de 2017

Palavras e Estórias


Nem melhor nem pior. Especial. Assim me sinto na véspera de apresentar o livro que me fizeram. Reapresentar. Momento único que vivi há 6 meses. Amanhã vai ser diferente. Nem melhor nem pior. Diferente. Mas não sou escritor. Sou pessoa comum que se sente especial hoje. Os meus olhos captaram momentos como se uma máquina fotográfica fossem. O tempo desfocou rostos, porém avivou contornos e uma simples rua duma cidade quadrangular poderá ter virado cenário especial dum enredo. Alterados ângulos, encomendadas frases ouvidas num qualquer lugar, palavras simples de simple gente, desejos, cores e amores, caligrafia corrigida num qualquer computador, transpostas numa resma de papel imaginário, com vibração da emoção, com lágrima de sentir, com saudade de amanhã, com quilómetros de distância, com abraços e desembaraços, coligiste um livro ao que te digo obrigado.


Sanzalando

17 de maio de 2017

calmo mar

Olha só as ondas como se desmoronam ritmadas na areia. Ouve esse marulhar. Sente este perfume de maresia. 
Essa calma que esta linha recta que é curva, que se vê lá ao longe neste zulmarinho, nos transmite faz com que me esqueça das rasteiras, me tranquilize a consciência e me solidifique os sentimentos. Faz com que eu seja mais eu em cada momento.
Consegues ver o sorriso desenhado na minha cara? É de tranquilidade feliz.


Sanzalando

15 de maio de 2017

com um tempo assim

Nem sol, nem vento, nem chuva, nem nada. Tempo assim de estar sentado a ver o nada. É assim um dia que nem o hoje de agora. É assim num olhar e ver-me, na praia, no cinema ou em casa. Até parece eu virei caçador de mim. Emesmei-me é o que eu penso com este tempo.
Com este tempo assim eu achei-me era saudade. Saudade de não saber quem eu sou. 
É, um tempo assim de fantasmas e duendes, de bruxas e bruxedos. De interessante nada de novo.
Com o tempo assim eu me motivo a meditar um silêncios imperfeitos, em aceitação do eu desajustado de mim e em palavras de conveniência

Sanzalando

10 de maio de 2017

Palavras em livro

Ao longo da vida tenho amealhado palavras. Umas melhores que outras, umas mais bem conseguidas que outras. A finalidade tem sido sempre a mesma: satisfazer-me, mesmo que eu não me releia, mesmo que eu não consiga ser portador da mensagem, mesmo que o ritmo da minha cabeça seja diferente do ritmo dos significados, verbos e adjectivos.
Ao longo da vida juntei palavras. Muitas. Com lágrimas, gargalhadas, com direcção ou à toa. Apenas palavras, poéticas, filosóficas ou doidamente legíveis por interpretações irreais. 
Às vezes são palavras escritas em falas dialogantes de solilóquios absurdos, outras vezes nada comparáveis a nada. As minhas palavras, sei, são verdadeiras mesmo que sejam verdades que ainda não aconteceram, ainda que não correspondam ao tempo presente ou passado imemorável.
Nas minhas palavras o dia seguinte chega sempre depois duma noite, pouco importa a fase da lua, reflectem dias menos bons para que os dias bons sejam reluzentes.
As minhas palavras podem parecer saudade, tristeza, nostalgia, porque, um dia, de mim só vai restar a saudade.
Assim, por caprichos da natureza, por amor e surpresa, alguém, que muito me gosta e eu gosto muito, um dia resolveu meter mãos à obra e nasceu Estórias Soltas e Palavras Vadias, comemorando o aniversário deste aprendiz de palavras. Nesse dia houve festa num dos clubes mais antigos da cidade Portimão. Gente, muita gente amiga. Uma solidariedade de todo inesperada.
Agora chegou a vez de alargar horizontes e ir até Lisboa. Braço dado com a minha amiga Ana Quelhas, que arregaçou as mangas e escreveu para memória futura O Fato Que Nunca Vestimos, aí vamos nós passar um fim de tarde na Casa de Angola em Lisboa e um jantarzinho à maneira para aqueles que nos quiserem acompanhar.

Sanzalando

7 de maio de 2017

African Canvas

https://www.facebook.com/ArtCraftArchitecture/videos/1358889557510530/?pnref=story


Sanzalando

6 de maio de 2017

Poesia em noite de primavera

Hoje me apetece ser poeta. Caneta de aparo, tinta permanente. Sebenta vermelha. Olhos de paixão. A paixão é boa para se escrever. É boa para se ser poeta. Hoje me apetece ser poeta.

Não me ensinaram a  apaixonar,
nem me disseram que é bom ter paz,
só me dizem para amor dar
com toda a energia que for capaz.

Querem-me porto seguro,
seja a bóia de salvação,
que dê amor puro
mesmo que seja de perdição.

Não me deram chave de porta,
não me tiraram os medos,
nem fantasmas de gente morta
das memórias dos meus segredos.

Não me acenderam a luz,
não me deram um quarto claro,
ensinaram-me o sinal da cruz
não fosse eu ser um ser raro.

Não me ensinaram nada
do tanto que aprendi,
de livros, quase nada,
de música, apenas a que ouvi.

Ai os meus livros arrumados,
tantos de auto-estima
por ali deixados
à espera duma rima.

Sem bem saber fui chegando,
me salvando de armadilhas,
umas vezes tropeçando
entre metros, polegadas ou milhas.

E lá me fiz poeta,
dos versos ditos
com a rima certa
e ideias aos gritos.

Acordei. Me apeteceu rasgar a folha que estava escrita com tinta permanente e assim mantive a permanência do que escrevi


Sanzalando

5 de maio de 2017

futuro presentemente

Olhei o mar. Uma vez. Duas vezes. Olhos de ver e não com olhos de querer ver o que se imagina ser o alvo da visão. O mar lá estava, batido pela brisa sueste, quente e despenteante deste cabelo fino e grisalho, já sem a força e segurança doutros tempos.
Lá estava o mar a dizer-me que o futuro que me estava reservado não era este. A minha imagem não era esta, a minha maneira de ser e estar deveriam ter dado uma cambalhota algures numa qualquer porta da vida passada, quando entrei na fase de ser gente. Esta realidade actual só podia ser um sonho que eu estava a sonhar no futuro que me estava reservado. Não é ruim, pesadelo nem conto de fadas. Mas daqui a pouco eu vou acordar, na minha velha cama de solteiro numa casa distante deste mar, olhar o velho gira-discos que já faz tempo deixou de o ser para ser mera ornamentação, ouvir Maria Bethania ou Chico Buarque num rádio a valvulas e ainda não transistorizado, e dizer que o meu futuro vai começar.
Olhei novamente o mar. Olhos de ver ao perto e testa franzida de ver ao longe.
Se isto não é sonho, eu também não vou pedir para mudar tudo o que fiz, não vou pedir para esquecer tudo o que já vivi. Seguro esta realidade sonhada e sigo a vida feliz esperando chegar ao futuro desenhado.


Sanzalando

2 de maio de 2017

hoje foi primavera

Hoje o sol me sorriu, me acariciou a cara e me devolveu um brilhozinho aos olhos. Hoje foi primavera que me deixou tocar com a ponta dos pés no azul do mar, esse zulmarinho que me carrega a imaginação, me transporta para lá da minha presença, que me transborda a ausência com a saudade de ser feliz.
Soubesse eu antes o que sei hoje e teria ouvido o meu próprio conselho, ter-te-ia conhecido antes e seria sempre primavera, mesmo quando o frio gelasse a alma, mesmo que o pensamento sofresse de esquecimento, mesmo que a ira substituísse a esperança e a saudade de ser triste substituísse a de ser feliz.
Hoje foi primavera outra vez.


Sanzalando

30 de abril de 2017

green

Sanzalando

29 de abril de 2017

nasceu nostalgia

Olha só como está azul esse mar num vai e vem para areia. O sol se escondeu faz dias mas esse mar continua azul que nem o zulmarinho dos lados sules do mundo. Ondula sem ser calema e o marulhar parece é calma que transpira.
Isso me faz ver que há pessoas que entram e saem da vida que nem as ondas desse mar se espraiam na areia. Assim como aquela música que parece nunca mais existiu. 
Mas mesmo assim o sol nasce, nem que seja no oficialmente, todos os dias e a lua nos seus quartos ou nova ou cheia lá continua todas as noites. 
Queres ver nasceu nostalgia num dia cinza.


Sanzalando

28 de abril de 2017

tempo

Chove. Não chove. 
Raio de tempo que faz tempo sem ter tempo para usar o tempo conforme me apetece.
Imagina querer sair de casa, correr ao sol até um lugar qualquer, controlar o impulso de ir ver o mar, sentar numa qualquer escada e olhar. Somente olhar. Consciência vazia e riso fácil. Assim só de olhar


Sanzalando

27 de abril de 2017

tatuagens que não minhas

Olha só como até o céu chora. Aqui num canto abrigado desse mar que me alimenta o espírito me deixo levar pelo tempo meteorológico enquanto gasto o tempo de vida.

Quem disse era sol? Quem disse saudade é primavera e esperança? Pôpilas... assim até apetece não acordar.
Mas por agora aproveito este lusco fusco de dia sem sol para ler palavras escritas e livros ainda não lidos. Sentir sentidos não pensados por mim, viver vidas que não as minhas, fantasias que não as minhas. Aproveito para ver as tatuagens de almas que não as minhas.

Sanzalando

25 de abril de 2017

Faz sol, porém não por aqui

Faz sol, porém não por aqui.
Ali ou acolá faz sol. Não sou egoísta por isso pouco me importa onde ele está. Esteja e seja muito feliz. Na verdade eu não desisto. Eu sei que parece que vou dar a lado nenhum, mas por acaso, por difícil que possa parecer, eu vou acabar por encontrar o meu norte que pode ser a sul ou outro cardeal qualquer. Eu não perdi a capacidade de sonhar e isso me faz lá chegar, ao ponto de imaginação, ao lugar do repouso da alma, ao renovar do sorriso, aos braços que me abraçam. Eu sei que valho mais e por isso vale a pena continuar a tentar. Não desisto, não paro e não me fecho. Nem que eu seja a minha própria criação, nem que eu atinja o climax desimportante.
Faz sol, porém não por aqui.
Trago um cravo na lapela, uma bandeira na mão, na voz um grito de liberdade e no coração um desejo de esperança.
Trago orgulho no passado, esperança no presente e a certeza dum futuro de memórias.
Mesmo sem sol por aqui eu brindo ao sol que brilha num lugar qualquer

Sanzalando

23 de abril de 2017

Primaverou novamente

Primaverou novamente. Desventou-se e até deu para sorrir ao sol na areia de muitas cores. O marulhar me dava ritmo de pensar coisas de boa vida e afins, recortes de infância e adolescência, ruas de outrora com gentes de agora. Saltei de pensamento em pensamento como se tivesse uma borboleta dentro de mim. O carburador funcionava parecia um relógio de corda antiga. Não se ouvia o bater das válvulas. Electricamente eu pensava e sorria, ao mesmo tempo. Fabuloso.
Sim, eu sei. As minhas palavras não são poesia, são palavras soltas que rimam com alegria, com esperança, nostalgia e sonhos de criança. São as minhas palavras porque são escritas por mim.
Não ouço o batuque do coração, vivo-o, tão alegre quanto possa.

Sanzalando

21 de abril de 2017

do que não gosto e gosto

Não gosto de vazio, de gente sem sorrisos, de pessoas carregadas de nada. Não gosto de frio, de falsos juízos, do silêncio de gente calada. 
Afinal de contas de que gosto eu?
Eu gosto dos significados das palavras, do dom da palavra e do que ela sabe.
Eu gosto dum beijo, mais ainda se não é dado em segredo.
Eu gosto da minha estória, da minha maneira desajeitada de ser, do meu formato desformatado.
Eu gosto de ti.
Gosto dos meus amigos. Gosto de quem que me olha passado 20 anos e me chama pelo nome como se tivesse sido ontem o último aperto de mão dado, gosto de um abraço.
Gosto de ter vivido o que já vivi, de ter sonhado o que sonhei e de ter desejado o que consegui.
Afinal de contas também não gosto do vento que não me deixa ver direito o céu.


Sanzalando

15 de abril de 2017

FOI ASSIM QUE TUDO ACONTECEU

Sanzalando

14 de abril de 2017

distribuir sorrisos

Vou andar por aí a distribuir sorrisos como quem quer ver um mundo diferente. O zulmarinho riscado, ondulado, espraiando-se na areia com preguiça monótona e ritmada; o céu zulceleste com riscos e tufos brancos como um desenho abstrato; e eu a olhar para tudo e sorrir.
Não tenho essa na bagagem de que diversão é abafada pela saudade e não cabem no mesmo porão. A gente se diverte mesmo quando sente saudade. Pode não ser igual. Mas a gente sorri com o mesmo sorriso de quem anda de mão dada mesmo que haja espaço a separar ambas mãos. 
Vou andar por aí a distribuir sorrisos mesmo com o peito cheio de saudade.


Sanzalando

11 de abril de 2017

rumo à proa do meu sul

Tantos anos a falar de zulmarinho. Tantos dias a deixar os meus olhos olharem para lá da linha recta que é curva, tantas calmas agarrei nas calemas da vida ao molhar os pés na água fria deste mar que nos une.
Agora, por imposição gostosa, tenho carta para andar nele a todo o vapor, porque à vela não me vou acreditar porque o vento me despenteia e apaga o lume dela.
Agora com ajuda dum tal de Mercator, compasso, régua e esquadro, somas, subtracções e outras desorientações eu sei que vou seguro dum ponto A a um ponto B até chegar ao meu ponto placenta.
Agora o zulmarinho pode ter ondas vagas ou ocupadas, com colete e jangadas, remos e croque, vertedouro, lais de guia ou voltas de fiel, eu vou poder seguir em frente, rumo à proa do meu sul.
Mas esta carta escrita, assinada e datada, só foi conseguida com muita ajuda de colegas que se tornaram amigos, de família que foi claque, de ajudas em todos os lugares onde eu podia fazer falta.
Tantos anos a sentir o zulmarinho dentro de mim e agora estou encartado para sobre ele reviver glórias e sonhos sonhados nas revistas e filmes de criança até ao presente.


Sanzalando

6 de abril de 2017

rascunho de mim

E se eu fizesse um rascunho de mim? Dava para ter vida? Assim programadinho, certo e direitinho.?Com o meu jeito para desenho de certeza que a vida tinha muito rasurado, auto-estradas de grafite, vincos perceptíveis na eternidade, marés vivas em mar chão feito num óleo. O melhor mesmo é por a marcha a ré, fazer o desconto do desvio e inclinar-me para a declinação, traçar a rota e ver a derrota numa carta dos serviços sem cadastro.
Mas assim num improviso tem-me sabido bem, com humor mal humorado, com erros e acertos, sorrisos sem fim e lágrimas choradas às escondidas ou às claras. 
Vá lá. Se por acaso alguém encontrar o meu esboço por aí, faça o favor de devolver porque é falso de todo. Eu estou a ver o zulmarinho num segundo de sossego.


Sanzalando


WebJCP | Abril 2007