Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: É, deve ser, do sol
recomeça o futuro sem esquecer o passado

24 de julho de 2016

É, deve ser, do sol

Neste momento de sol tórrido e calor que me faz suar as estopinhas só de respirar, dou comigo a fabricar pensamentos.
Em tempos idos, noutros quarteirões, noutros diálogos, alguém me disse que para esquecer algo de muito importante eu teria de o transformar em livro. Assim foi nascendo cada frase, cada parágrafo e muitos textos, se assim me permitirem ter a liberdade de os chamar. Mas mesmo assim não me livrei do que gostei, do que gosto e do sempre gostarei. Mesmo que eu escreva livros eu jamais esquecerei seja o que for.
Terrível época a minha em que ainda há vagas no inferno e uma preguiça enorme para defender as palavras que vou gastando com gosto. Umas vezes aparentemente tristes, outros antes pelo contrário, porem caminham, as palavras, para dentro de mim de forma a saírem textos que falo em voz calada para folhas brancas.
É, deve ser, do sol


Sanzalando

0 comentários:


WebJCP | Abril 2007