Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: versos de futuro
recomeça o futuro sem esquecer o passado

30 de novembro de 2012

versos de futuro

Sopra forte o vento. A chuva quando cai parece está desesperadamente a fugir do céu. Eu, aqui em baixo, abrigado nas memórias, nos momentos grandes da minha vida, na sombra imaginada dos amigos que tenho, vou vagabundeando ideias e conceitos, perdendo preconceitos, afastando medos e apagando segredos, afastando tempestades e silenciosamente dou comigo a declamar versos que nunca pensei escrever:
Podes ter fugido do tempo e da cidade 
mas nunca poderás fugir da tua identidade. 
Eu prefiro ser uma virgula
que um ponto final.
E talvez neste escuro,
que já não me é fatal,
eu seja o ginasta dos trapézios
saltando em espiral
como se fosse o último salto mortal
para um  tempo mais de futuro 
O Sol entretanto reapareceu, o vento acalmou e nenhum vizinho veio à janela assustado com o vozeirão que eu devo ter feito e me calei para a solidão carregada de gente.



Sanzalando

1 comentários:


WebJCP | Abril 2007