Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: Silêncio das sombras
recomeça o futuro sem esquecer o passado

3 de março de 2010

Silêncio das sombras

A luz trémula dum candeeiro de petróleo faz projectar na parede a minha sombra disforme. Silenciosamente o tempo foi modificando a silhueta, o perfil, a face, a contraface parecendo eu já um contrafeito produto de mim. Mas me olho na parede, onde sobressaem curvas, onde a largura não é mais muito diferente que a altura, e sigo a linha de prumo que pensei um dia havia de seguir. Na verdade sigo-a em câmara lenta ou em parada tantas vezes. Mas na verdade acho que os ímpetos são os mesmos, os gestos afagados apertados, os sorrisos, se calhar já não gargalhados, continuam a ser sorridos. Os perfumes continuam a ser os mesmos, assim como os odores recriados de memória. Se calhar o que mudou foi mesmo o silêncio, a silhueta, o entusiasmo aparentado.

A luz trémula do candeeiro de petróleo apenas vem acentuar alguns dos vectores desta equação interminável, tatuado no corpo nu em formas de rugas, pregas, almofadas e umas ou outras flácidas partes.

O silêncio trás-me de volta às voltas da fala calada, aos desejos desejados e não esquecidos. Pelo menos por mim!


Sanzalando

1 comentários:


WebJCP | Abril 2007