15 de março de 2010

Futuro de ontem

Me atiro nos teus braços como se tu chamasses por mim num constante e docemente tempo. Até parece eu sou frágil, folha de papel que voa no vento leste e se amolece na madrugada de cacimbo como se a preguiça fosse um estado de espírito. Os meus braços, sempre estendidos para ti, o meu olhar sempre a ver-te e um desejo enorme de te ter.

Como eu gostava de voltar a ser menino, brincar descalço no alcatrão escaldante que até parece é líquido, esfolar os joelhos, calejar as mãos em trapezismos no escorrega do parque que nunca mais eu conheci um igual.

Mas me recordam sempre que o tempo não é de voltar atrás e as forças já não são mais como é que eram, os prédios grandes ficaram baixinhos que até parece tudo virou miniatura e a criatura que antes pensava duas vezes ver as garinas lá nos lados do colégio agora olha e pergunta como é que ficou assim mais perto, parece o mundo encolheu.

Mas me atiro nos teus braços só por sede de ser abraçado por ti e com vontade de recordar os teus velhos paludismos, tifas e tifos, diarreias e suores que levaram gente que até parece estavam ali por condenação.

Hoje já não tenho os braços esqueléticos de avôs e avós para me contarem as tuas estórias, as suas lágrimas, as suas vontades de nunca desistirem e hoje, por um mero qualquer ruído se atravessa o mar em direcção a outro canto para além da imaginação.


Sanzalando

3 comentários:

  1. O Celular Espião é um celular tão incrível e polêmico que foi proibido em alguns países da Europa e é novidade no Brasil.

    O Celular Espião é um telefone celular comum, especialmente modificado para poder ser monitorado à distância, permitindo assim escutar as conversas telefônicas e ambientais de quem o utiliza.
    www.celularespiaobrasil.com

    ResponderEliminar
  2. lindo regresso ao futuro...sinto-me perto quase que tentada a continuar a outra parte. é mesmo bom respirar esse ar de passado presente.

    ResponderEliminar
  3. Escapou-me este post, não sei como.A sua linguagem numa viagem ao passado, é-me tão familiar que parece que estava lá brincando descalça, correndo atrás do carro da tifa e tendo tifo, aos 4 anos, do que tenho memórias até bonitas desse tempo de doença e dos afetos dum avó que é o meu herói e dum amor dedicado e único de pais adoráveis. Obrigada, por escrever tão belo, simples e rico e fazer-me abanar a cabeça num aceno que sim, num sorriso de saudade e numa lágrima que deixo rolar.Bem haja.

    ResponderEliminar

recomeça o futuro sem esquecer o passado