1 de dezembro de 2004

Silêncio no cais

Silêncio no cais

No silêncio viscoso
da ruela
um grito rasga a noite
de mistério.
Depois...
nem o eco
alívia
a minha angústia!...


A uma amiga o meu obrigado
Sanzalando em Angola
Carlos Carranca

Sem comentários:

Enviar um comentário

recomeça o futuro sem esquecer o passado