19 de maio de 2019

primavera dê-se ao respeito

Faz brisa parece é vento. Primaverou, invernou e veraneou, tudo no mesmo dia. E eu? Baralhei-me. Se tem coisa que gosto é respeitar e entender ou entender e respeitar dando-me ao respeito desgostar a meu gosto. É por isso que julgamento eu não faço. Não julgo. Entendo e respeito mesmo que eu não não goste. Esta primavera não é a meu gosto. Respeito. Mas não entendo. Se é primavera tem de se portar como tal. Mas eu não vou julgar mal a primavera porque está a ser indecente, porque sopra vento parece é frio soprado num frasco de gelo. Respeito-a. Mas está difícil entender neste tempo incerto.
O zulmarinho está arrepiado. A falésia parece desabrigo. O silêncio parece é sopro. A maresia parece é inodoro porque vai de contra mim.
Me sinto magoado com essa primavera que calhou este ano. Respeito-a mas acho merecia mais. Não a entendo.

Sanzalando

Sem comentários:

Enviar um comentário

recomeça o futuro sem esquecer o passado