Navega à vontade que a Sanzala é segura, mesmo que te pareça lenta!
A Minha Sanzala: recorrendo a um ontem
recomeça o futuro sem esquecer o passado

20 de janeiro de 2008

recorrendo a um ontem

falado em 11-09-2004



Bebo sim. Que mal tem beber se é para ter a garganta assim como que oleada. Te falo melhor e só te conto as verdades, mesmo que elas não tenham existido.

Conterra, senta aqui e me ouve com ouvidos de ouvir e olhos nos olhos para eu ver que estás a ouvir.

Mermã, o zulmarinho está a entrar no tom mais escuro de Outono. Eu sei que aí, onde ele começa, tá a ficar clarinho, verdadeiro zulmarinho que até parece continua com o céu. Mas aqui no fim dele está a ficar mais escuro, parece ele está a dizer é tarde. Fica assim mais sem graça.

Mas te dezia que eu bebo para ter a garganta lubrificada e me lembrar de outros cafés, outras saudades. Outros tempos em que a dor no cotovelo não doia nem nas palavras. Sim, mermã, a dor sai dos cotovelos, vai nas mãos e de ricochete ela volta até no cérebro. Com o zulmarinho sendo zulmarinho as pessoas não vestiam tanta roupa e eu lhes via a silhueta sem ficções e outras maquinações. O Zulmarinho era mesmo zulmarinho e sol brilhava mais doirado. Agora, mermã, bebo para ver se ele clareia e só tem cacimbo nele.

Conterra manda poesia linda que fala do nosso mar, do início deste mar.

Sanzalando

0 comentários:


WebJCP | Abril 2007