30 de junho de 2007

Caminhos 4 - destino

Me sento junto a ti e nem tenho tempo de te olhar.

Falamos um tempo indefinido de assuntos de nada como dois loucos que têm tanto para dizer e o tempo escasseia. Permanecemos em silêncio como que a querer absorver com lentidão o que sofregamente foi falado.

Não sabemos quando voltaremos a estar juntos outra vez, porque não sabemos qual o nosso destino.

Encontrar-nos-emos numa qualquer ocasião, num qualquer lugar, com o mesmo sorriso e com o mesmo olhar. Me disse um velho sábio e se ele disse é porque é verdade. Ou se não foi quem disse foste tu que falaste por ele, o que vem a ser a mesma coisa aqui para mim.

Dissemos tanta coisa e não podemos fazer uma fracção dela. Um passo que se segue ao outro sem sair do mesmo lugar. Razões estranhas, razões distantes, razões internas, razões sem razão.

A verdade mesmo é que é necessário estarmos sentados e falarmos, mesmo que não haja tempo para troca de olhares. Não pode ser só momentos de felicidade instantânea. Não pode haver só despedidas, lenços brancos a acenar e lágrimas caídas numa leveza insustentável.

Não é tempo de fantasias porque daqui a pouco tempo o tempo termina. A tua partida, a minha fuga, o nosso voltar de olhos secos e palavras surdas. Não há tempo de fantasiar desencontros. O velho sábio disse e se ele falou está escrito algures num sítio qualquer.

Não há tempo para recordações quando pouco tempo sobra para a realidade.

Não há tempo para a falta de tempo.

Não faz sentido alegrar a vista, saciar a alma em paralelas palavras que te falo e te recordo. Não faz sentido desligar a televisão da realidade e fantasiar filmes de imaginação.

Não faz sentido procurar caminhos quando as estradas estão feitas, os mapas actualizados e as coordenadas definidas.

É o Destino que destina-me.



Sanzalando

4 comentários:

  1. Viva Carlos:

    "Não faz sentido desligar a televisão da realidade e fantasiar filmes de imaginação."

    hummm... assim já gosto, o futuro é já hoje e a vida não permite que se desperdice o "relógio" que nunca para... mesmo sem dar "corda".

    A felicidade está acima da saudade.
    A felicidade é hoje e amanhâ, é o futuro, a saudade é ontem, é o passado.

    O passado é "letra morta"... para recordar... mas só isso, os desafios do futuro é que nos fazem sonhar.

    Bom fim de semna.
    Um abraço,

    ResponderEliminar
  2. Amigo Jotacê:
    Podem dizer o que quiserem dizer. Podem-me julgar num tribunal da vida, mas tenho o bom senso e sobriedade no meu carácter para corajosamente falar. Falar do que escreve. Falar sem medo porque os meus filhos me dão forças imensas e, é por si, que não vou esmorecer.
    Que me julguem. Sou como sou. Chato ou de um século muito distante. Aqui há que falar de vários assuntos de nada. Aqui há silêncios. Aqui há razões sem razão. Aqui não há tempo de fantasiar desencontros. Como diz brilhantemente, há sim, pouco tempo para a realidade.
    O destino? Esse mora no nada, nos sorrisos, sem rir. Sim! Sorrio, mas nunca rio.
    Que a minha humildade chegue para dizer o que penso, num País livre, sem anónimos ou com anónimos, mas quero dizer-lhe:
    Não abandone o sonho, não o distancie muito do que ele é, porque é belo e traduz uma vida. Responsável e sincero. Acredite. Eu acredito porque habito na seriedade do que sou.
    Muito bem!
    Com muita estima e muita consideração
    Abraço
    pena

    ResponderEliminar
  3. Carlos :

    Mas, afinal, o que é a realidade ?
    Ou , antes , o que são as realidades ?

    Lembras-te do escravo que regressou à caverna e não distinguia as sombras ?

    Então...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Sonhar é bom!
    Podemos tudo e não existe nenhum obstáculo nenhum limite, basta apenas estar disposto.
    Podemos nos apropriar indevidamente da felicidade com todo o direito desse mundo. É saudável nos realizarmos, mesmo sendo apenas um "faz de contas".
    Mas...que felicidade, quando não se precisa sonhar, quando só o que se quer é viver essa realidade que está sendo melhor que qualquer sonho imaginável. LOUCURA!
    Isso é tão louco, porque depois que passa, e tudo passa inevitavelmente, fica a sensação de ter sido um sonho.
    Enfim, é infinitamente melhor vivenciar do que sonhar, mesmo sabendo que também é apenas um sonho.
    Penso que nada, nem mesmo a vida é real. Este é o grande segredo.
    Então, se tudo é loucura, vamos colorir a vida! Para que ela não passe em branco.

    ResponderEliminar

recomeça o futuro sem esquecer o passado