3 de outubro de 2006

08 -Estórias no Sofá - Eu, o farnel e o comboio - 1 de 3

Posted by Picasa Está uma tarde assim transferida de calma e transbordante de sol. Felizmente corre uma vento suave que parece vem do mar e amacia a alta temperatura que eu acho deve estar. A Estação dos caminhos ferro está cheia, como está sempre que vai partir um comboio. Pessoas passam ao meu lado, alguns lentamente conversando coisas triviais com os companheiros, outros correm desenfreados como que desesperados por um comboio que se foi. Nesta mistura encontro trabalhadores da Estação, todos com relativa calma demonstrando que sabem o passo a passo da sua rotina, inspeccionam cada roda, cada ligação de carruagem, etc, como se fosse possível numa rápida vista de olhos ver se estava tudo conforme os regulamentos. Era assim, é assim.
Ouço o barulho e vejo ao fundo a velha máquina a vapor, enormemente gigante e negra, a caminhar por entre os seus fumos a vir-se ligar às carruagens que vai ter que puxar serra acima, ganhando balanço nos muitos quilómetros de plano. É aquela besta enormemente fumegante que me vai levar ao destino. A mim e todos estes outros que estão aqui numa azáfama indescritível pelos contrastes. Para uns a viagem é enervante, para outros é só mais uma entre as muitas que já fizeram.
Olho para este comboio e afinal o que estou a ver são as recordações do meu tempo de criança, quando viajava nos velhos comboios a vapor.

3 comentários:

  1. Off topic: Obrigado pela visita Carlos. Volte sempre!
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Gostei muito do texto! Deu uma saudade de andar de trem...

    ResponderEliminar
  3. Sanfona Lusitana:
    é um prazer visitar blogs ao acaso e encontrar coisas giras. Quando assim é eu deixo lá a marca e linko por aqui. Ala dos Namorados ficou 'linkada' (quando aprenderei outra palavras para substituir esta?)

    Kafé:
    No fim do 3º episódio você vai me dizer se continua a querer andar de tren ainda. Acho, modesta opinião minha, que vai adorar

    ResponderEliminar

recomeça o futuro sem esquecer o passado