17 de maio de 2007

Solilóquio (ou lá o que isso seja)

Vamos em passos firmes e serenos. Curtos como a não querer gastar a distância que ainda temos de percorrer. Tu segues-me, como sempre o fazes, transportando o teu carregado silêncio.
Se eu agora me virasse e te olhasse, estou certo ia encontrar-te com lágrimas.
Vejo a areia das mil cores marcada com pingos de água aqui e ali e sei que as lágrimas do zulmarinho não chegam até aqui. Se eu neste momento não deixo correr as minhas, pois só podem ser tuas.
Porque me havia de calhar uma sombra tão humana? Também podias ser uma sombra como todas as outras sombras. Mas também é verdade que eu não posso descansar à sombra da minha própria sombra. Também por isso é que tu és diferente das outras.
Ouves-me com prazer, nunca te ouvi contrariar-me, nunca te vi com ar enfadado, porém choras e as lágrimas escorrem-te pela cara.
Quantas terão sido as vezes que te falei e nem reparei que choravas? Egoísmo meu? Falo-te e nem olho para ti. Falo-te e nem te ouço.
Se calhar apetecia-te falar-me das planícies a perder de vista, das músicas que gostas e te fazem bandolear a alma, dos pôr-de-sol laranjas e que demoram menos que pouco tempo, das chuvas que caiem sem aviso prévio, do sol que num instante seca o suor do teu rosto. E eu nunca fiz um esforço para te ouvir.
Sombra minha, que triste te deves sentir em acompanhar-me nestas caminhadas de solilóquio.


Sanzalando

3 comentários:

  1. "Chez minino como você anda a falar caro.. solilóquios, pr' aqui, luailóquios pr' acoli, e por ai fora... desconsegui de perceber até que cheguei aos finalmente e entendi que os solilóquio servem para caminhar nos areia c'oas damas e suas sombra.
    LOLOLOLO
    SJB

    ResponderEliminar
  2. Não penso que ela se sinta triste. Já deve estar acostumada com o teu solilóquio. Mas não é um solilóquio de verdade. Seria se ela não te escutasse.
    Ela sabe que é um monólogo. Eu sinto.

    ResponderEliminar
  3. Sou homem e também tenho uma sombra. A minha sombra. Só minha. Em que difere das outras sombras?
    Não consigo explicar. Não sei.
    Só que essa sombra que me acompanha para todo o lado, todos os incríveis e suados lugares, me encanta, me delícia, me arrebata.
    A vida é assim.
    Essa inseparável sombra de maravilha deposita lágrimas sinceras no meu olhar.
    Choro. Faz-me chorar embevido na delícia que provoca em mim. No rosto belo dela quando me revejo nela.
    É só minha. Se se separa de mim, deixa um olhar húmido no deslumbrante sentido da minha vida.
    Por isso, amo-a e choro agradecido a ela. É tão linda!
    Comove-me tanto!
    Com consideração
    Abraço
    pena

    ResponderEliminar

recomeça o futuro sem esquecer o passado