20 de abril de 2007

Caminhemos em palavras

Vamos aproveitar este tempo húmido e falar de coisas soltas como são as palavras que nos saiem da boca e que cada um interpreta como lhe apetece.
Na tua grande sabedoria, de anos feita, já sabes que podemos fazer com as palavras o que queremos. Nós somos o limite delas, lhas usamos para pintar, para descrever, para meditar, para insultar e para fazer silêncios. Tudo depende mesmo do nosso sentir.
Eu já te provei que quando se preserva algum sonho, por mais impossível que aparente ser realizado, fica-nos a satisfação de ter feito algo ou tudo, ou ainda um pouco de menos para o conseguir. Minha mãe me disse que, na minha vida, muito provavelmente eu conseguiria realizar muito dos meus sonhos e outros não. Eu sei que ou ela me disse ou pensou dizer-me ou talvez não. Mas ficou a intenção. É isto que é a vida, fazer planos, lutar pelo que queremos. Com empenho mais cedo ou mais tarde as coisas se podem fazer.
O mesmo é a vida das palavras. Tal e qual. Algumas são nuas, outras são cruas e outras ainda resvalam na barreira da surdez selectiva. Umas atingem o seu fim, outras não. Umas são faladas outras são caladas. Toda a palavra depende da intensidade com que é dita ou calada.
Vamos caminhar sobre palavras levadas pelo vento, sonhadas em noites calmas, vividas em momentos românticos.
Caminhemo-las ao som do marulhar deste zulmarinho que nos leva a mensagem até ao início dele.

Sanzalando

8 comentários:

  1. Também gosto das palavras caladas!!!Palavras que têm uma morfologia enquadrada no silêncio.
    SJB

    ResponderEliminar
  2. Caminhemos então nas palavras.
    Sensatas. Sóbrias. Poucas.
    Gosto de as dissecar. Expressar com sentimento! Sinceramente, os conselhos da sua mãe eram sábios. Repletos de bom-senso! E, muito muito, grandes. Enormes.
    Fiquemos por aqui, porque aprendo sempre.
    Um Bem-Haja.
    Com simpatia e respeito
    pena

    ResponderEliminar
  3. "Palavras levam o vento"...quem disse isso? De certeza que não te conheceu, pois as tuas "palavras escritas" ficam rejistadas e fazem parte da memoria de quem por aqui anda. Continua assim....
    BJS
    IR

    ResponderEliminar
  4. Para quem, ou melhor, de quem são as palavras escritas?
    São de quem as escreve ou são de quem as lêem?
    Cumprirão sua finalidade somente se forem lidas.

    A intensidade depende da sensibilidade de quem as diz e de quem as lê. Elas são como a vida.
    Agora já me pertencem.

    3,14

    ResponderEliminar
  5. ´havia um reclame na nossa RTP em que se fazia a apologia da pasta medicinal Couto e era verbalizada a frase seguinte: «palavras para quê?» O que aqui escreves desdiz a essência de tal frase.

    TT

    ResponderEliminar
  6. "As palavras expressam o nosso sentir".
    E vivo sentindo as palavras, escrevendo, lendo e também inventando...
    Creio que nunca me dei mal..
    Deus me ajude!
    Abraço
    Pena

    ResponderEliminar
  7. Gosto dos textos. Mas onde eles te levam?
    Um dia destes voltarei aqui com mais cuidado e atenção.
    Deves estar perto da loucura!
    Abraços
    Almiro

    ResponderEliminar
  8. JotaCê

    Admiro "un mondo" quem consegue por para fora, em palvras, aquilo que sente e admiro mais ainda quem faz tão bem e com tanta poesia.
    A admiração que sinto é...
    inveja(?)

    Um final de semana "loco de especial" e um beijo patológico.
    Patairada ou
    3,14

    ResponderEliminar

recomeça o futuro sem esquecer o passado